A Espécie Humana. Capítulo 53

aos poucos, aquietamo-nos. ele separou-se e me olhou como olharia um pai saído da lenda. eu sorri e falei:

paz, paz, Mercutio, paz.

você fala sobre o nada!

ele, quase sem voz:

não é verdade! falo sobre o pesadelo!

lentamente, dirigimo-nos à casa. nesse momento, sem motivo algum, meu pai parou e olhou para o portão. estremeci e todo o meu corpo se arrepiou. o menino se apertou forte contra mim.

da rua vieram a correr três enormes cães pretos. iguais. pararam no portão e ficaram olhando. apoiando meu pai e ainda com o menino no colo, fomos até eles. e meu pai, com a voz por um fio, trêmula mas suavíssima:

criaturinhas da vida! que vieram fazer aqui?

os cães nos olharam fixamente e deram a volta, desaparecendo após uma corrida rápida e silenciosa.

vamos entrar. estamos cansados. antes do sol nascer, eu devo mesmo partir.

meu filho o olhou cheio de seriedade mas nada falou. fiz com que ele se deitasse no meu colo e o estreitei com carinho. ele segurou minha mão e apertou-a com toda a força.

A Espécie Humana, romance de Jorge Teles, está sendo publicado em capítulos.

Para ler o capítulo anterior.

Para ler a partir do capítulo O.

Continua na semana que vem.

Um comentário para “A Espécie Humana. Capítulo 53”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.