Ou não tem caráter, ou perdeu o juízo

“Se Lula se diz um democrata, não pode aceitar a ditadura cubana. Se aceita, não é democrata.” É uma bela e corretíssima conclusão esta, que Merval Pereira expõe em seu artigo de hoje (quarta, 10 de março) no Globo, com base no princípio da contradição de Aristóteles – quando há duas proposições contrárias, e uma verdadeira, então a outra é necessariamente falsa.

É corretíssima a conclusão. Mas é um tanto educada demais, polida demais. Eu digo o seguinte: ou Lula é um idiota, ou então é cínico, hipócrita, não tem caráter. Das duas, uma, como dizia Aristóteles.

Estas foram as declarações de Lula em entrevista à Associated Press, na terça, 9 de março:

“Eu penso que a greve de fome não pode ser utilizada como pretexto de direitos humanos para libertar pessoas. Imagina se todos os bandidos que estão presos em São Paulo entrarem em greve de fome e pedirem liberdade.”

“Temos que respeitar a determinação da Justiça e do governo cubano, de deter as pessoas em função da legislação de Cuba, como quero que respeitem ao Brasil.”

“Gostaria que não houve (presos políticos), mas não posso questionar as razões pelas quais Cuba os deteve.”

Vamos lá. Um axioma e algumas questões que já foram levantadas nas primeiras hora depois que Lula perpetrou as barbaridades, os disparates, as insanidades acima:

* Preso político é preso político, não tem nada a ver com bandido;

* O governo Lula não questiona a legislação de Cuba, mas questiona a Justiça italiana, que condenou o terrorista Cesare Battisti por quatro assassinatos; e se opôs à decisão da Justiça de Honduras que determinou o afastamento do então presidente Manuel Zelaya por propor a reeleição, contrariando cláusula pétrea da Constituição hondurenha;

* O governo Lula decide manter no Brasil o terrorista Cesare Battisti, mas remete para Cuba, de imediato, dois atletas cubanos que pediam asilo no Brasil;

* O governo Lula não reconhece as eleições em Honduras, mas se apressa a defender a lisura das eleições no Irã da ditadura teocrática de Mahmoud Ahmadinejad, contestadas por milhares e milhares e milhares de opositores, dezenas dos quais foram presos por contestar o resultado;

* Poucas horas depois da morte do dissidente Orlando Zapata, Lula e seu ministro Franklin Martins dão um espetáculo de tietagem explícita junto aos ditadores Fidel e Raúl Castro, tiram fotos ao lado deles rindo como macacas de auditório – e Lula culpa a vítima.

É o princípio da contradição de Aristóteles: ou bem é uma coisa, ou bem é outra. Ou Lula é idiota, ou então é cínico, hipócrita, não tem caráter.

Em artigo publicado no El País, o editor da revista Foreign Policy classificou Lula como um dos cinco grandes hipócritas de 2009, como também lembrou Merval Pereira.

Talvez este seja – mais do que afeto à sociologia, às ciências políticas – um caso médico, uma questão que diz respeito à psiquiatria. O endeusamento de Lula por seus cupinchas e por ele próprio, o seu sucesso nas pesquisas de opinião, é tamanho que o cara perdeu o juízo, o senso. Acha-se deus. Parece achar que pode agredir a lógica, o bom senso, a inteligência das pessoas, e continuar endeusado da mesma forma.

Talvez sejam três as hipóteses. Ou é idiota, ou não tem caráter, ou perdeu o juízo.

Textos melhores

Depois que pus pra fora o texto acima, movido apenas por indignação, vi que Edmundo Leite escreveu – com muito mais propriedade, cuidado, e um competente trabalho de pesquisa – um belíssimo artigo sobre o mesmo tema, 200 vezes melhor que o meu pobre jus sperneandi. Como o dele, já estão na rede muitos outros bons textos. Ainda bem. Maravilha.  

Edmundo Leite: “As insanidades de Lula”

Marcos Guterman: “Lula enxovalou de vez sua biografia”

Míriam Leitão: “Presos de consciência não são criminosos comuns”

Josias de Souza: “Lula tenta explicar o inexplicável com o inadmissível” 

Dora Kramer na BandNews: Na prática, Lula disse que opositor é bandido

Pauta em Ponto: “Para Lula, direitos humanos é coisa de bandido”

O Estado de S. Paulo: “A ditadura justificada”

E começa a correr o mundo:

New York Times: “Brazil’s president came under withering criticism”

El País: “Críticas a Lula por descalificar a los presos cubanos”

 10 de março de 2010

5 Comentários para “Ou não tem caráter, ou perdeu o juízo”

  1. Não seja modesto, Sérgio. Seu texto sintetiza todo o absurdo da posição de Lula, aliãs, nada surpreendente para quem acompanha seu apreço à liberdade de expressão.

  2. Sérgio Vaz, seu jus sperneandi está muito bem escrito e com o tom honesto de quem acha-se indignado. Não precisamos ser monges e nos expressarmos por susurros.
    O Lula sempre fez isso, tentou salvar todos os cristais na base da vaselina. Neste caso, não deu: a vaselina funcionou contra ele, ententa isto como quiser.

  3. Sérgio.
    Seu texto está incrível!
    Infelizmente a maioria que acha Lula o ^maior^,(83%),não lê jornal, é burra, nada entende,Os restantes são os cupinchas que lucram com este governo insano.

  4. [meu objetivo não está em xingar Lula, Bolsonaro etc. Pretendo discorrer sobre o tema]

    São, de fato, tristes declarações. Mas se incluem num contexto mais amplo: o desprezo pela democracia na América Latina e outros ambientes com influência católica.

    A democracia floresceu, principalmente, no norte da Europa, nos ambientes que se livraram da opressão do credo romano. Palmas para Zwingli e (talvez para) Calvino.

    Eu, sinceramente, não tento comparar a situação institucional da Itália com a de Liechtenstein (países próximos). Na Europa católica, a “supremacia” da democracia é frágil, principalmente quando acabou de sair de ditaduras neo-fascistas dos Anos 70 – época em que a Europa do Norte se desenvolvia, social e institucionalmente.

    Indivíduos comuns, como o Lula, não aprendem democracia nem em família, nem na rua, e muito menos no ambiente dos mais antidemocráticos que hão, a escola com grade curricular da ditadura. O que eles aprendem, basicamente, é aquela lição fascista (“o mais forte deve prevalecer”).

    O Molusco, com o seu raciocínio seletivo, segue o mesmo exemplo do Congresso e do Sérgio Moro (aquela coisa de condenar o PT e deixar em paz os outros), quando protege o Battisti e detona os atletas cubanos.

    Há ainda uma versão que afirma que o Lula é criação do coronel Golbery do Couto e Silva (bruxo intelectual da ditadura). Pelo visto, já era autoritário desde os tempos de sindicalismo. E o marginal do Golbery gostou disso.

    Sempre ela: a maldita seletividade. Para este o céu, para os demais o inferno.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.