Lembrando de uma frase de uma canção de Silvio Rodríguez

a gente foi-se juntando aos poucos;

peludos, grunhidos selvagens.

entre berros e pauladas

fomos entendendo o poder da união.

como num milagre

pequenos grupos se organizaram

(que passo para o humano!).

custou-nos apenas pequena transcendência

y un poco de muerte.

depois

os reis hoje antigos

focalizaram sobre si decisões e posses,

distribuindo dores e sobras

para o resto das multidões cabisbaixas.

sacerdotes ensinavam como crescer

(que passo para o humano!),

navios, medicina, escrita.

custou-nos apenas alguma obediência

y un poco de muerte.

depois,

ah! foi com os gregos que o humano

divinizou-se!

o teatro, a história, a filosofia!

a arquitetura e a estatuária!

que soberbo povo enfeitiçado

por verdade e beleza!

custou-nos tão pouco, afinal!

só deflorar a poesia

(que passo para o humano!)

y un poco de muerte.

e o que nos ensinaram os romanos?

ensinaram a organizar o grandioso.

como explicar tanta civilização?,

sem a repressão eficiente do Direito!

(que passo! que passo!)

tábuas legisladoras saindo por todos os caminhos,

y un poco de muerte.

chegaram-se de manso

os cristãos

com tanta doçura

y un poco de muerte.

os sábios libertaram a ciência, a seguir,

transformando, numa vertigem voraz,

a face das coisas do homem.

custou-nos transformadora renovação renascentista

y un poco de muerte.

mas eis que a máquina estala em línguas de fogo que ligam

e em garras de ferro que se engrenam corretamente!

foi uma revolução poderosa, aquela,

(mas que passo para o humano!

que grande passo de magia mecânica!)

é verdade que as chaminés cospem venenos

mas é tão grande o planeta!

e quão confortável, o resultado dos gritos das máquinas!

foi só organizar os trabalhadores

y un poco de muerte.

e hoje, hoje, finalmente,

nós que nos dizemos civilizados,

nós capitalistas, nós socialistas,

e nós nem istas nem aquilo,

continuamos nossa gloriosa trajetória

em direção ao nada.

atraindo futuros ao um só passado.

pisamos a lua, que passo desumano!

enchemos o espaço com vigias explosivos,

como é pequeno o planeta!

mas continuamos a marcha de esplendor,

pisando rastilhos, passeando sobre minas, brincando sobre explosivos.

defendendo essas idéias que garantem a civilização

com verdades discutíveis, discutidas, indiscutíveis,

y un poco de muerte.

 Trecho da obra de ficção inédita A Espécie Humana, de 2003

Um comentário para “Lembrando de uma frase de uma canção de Silvio Rodríguez”

  1. E hoje, Jorge Teles, o homem segue o conselho de São Juan de la Cruz: “Bajo la cabeza y sigo adelante…”.
    A isso chegamos.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.