Eram muitas vezes

Era uma vez e passou tempo nenhum só uma semana eu li uma frase tão bonita não saiu do meu coração: “Era uma vez e já passou faz tempo eu fiz uma cama de caixotes de maçã e tinha sonhos perfumados toda noite”.

Era uma vez e já passou só uma semana eu nunca vou saber quantas vezes pensei nos sonhos perfumados sonhados toda noite na cama de caixotes de maçã.

Era uma vez e nunca vou saber quantas vezes pensando me perguntei que sonhos perfumados viriam a ser sonhados toda noite nas outras camas do menino que iria crescer e conhecer outras histórias de outros caixotes de outras maçãs.

Era uma vez achei tão bonitos os sonhos do menino que eu nunca ia saber que resolvi procurar os sonhos do homem que talvez eu viesse a saber sonhados e perfumados.

Era uma vez descobri que os sonhos que o homem sonhava na cama de caixote de maçãs eram com a história de seu pai e era uma vez ele reescreveu “a história do pai três vezes”.

Era uma vez depois que ele reescreveu “a história do pai três vezes” ele escreveu a história de uma menina Ingrid Helga Koster com um avô alemão que antes da Primeira Guerra Mundial dizia lá na Alemanha que o Brasil é “uma terra onde o mel escorre das montanhas”.

Era uma vez a história da menina se chamou Ingrid, Uma História de Exílios e está contada em um livro nascido do sonho da magia do feitiço do mistério de três pessoas.

Era uma vez a primeira pessoa que sonhou e viveu a história Ingrid Koster menina do sul do Brasil viu a guerra entrar em sua vida na vida da família e do país tão longe da Alemanha.

Era uma vez a segunda pessoa professora e historiadora Priscilla Perazzo que pesquisou a história de Ingrid Koster conheceu descobriu decidiu que sonhos sonhados vividos e sofridos virariam páginas e páginas. 

Era uma vez a terceira pessoa Marcílio Godoi mineiro escritor desenhista roteirista diagramador que “era uma vez e já faz tempo” fez uma cama de caixotes de maçã e sonhou “sonhos perfumados toda noite” e que era outra vez reescreveu “a história do pai três vezes”.

Era uma vez Marcílio uniu a história de Helga Koster à pesquisa de Priscilla Perazzo e escreveu um livro tão bonito que a gente chora quando lê e sonha quando chora choro e sonhos perfumados como os do menino da cama de caixotes de maçã.

Era uma vez Marcílio Godoi sonhou muitos sonhos chorou muitos choros pensou muitos pensamentos refletiu muitas reflexões enfeitiçou o leitor com feitiço de palavras certas no lugar certo na hora certa. Enfeitiçou seduziu conquistou fez mágica milagre mistério.

O livro Ingrid, uma História de Exílios “era uma vez e ainda está sendo”. Era uma vez e sempre vai ser.

Esta crônica foi originalmente publicada no primeiroprograma.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.