A Espécie Humana. Capítulo 19

no meio dos meus papéis, eu encontro:

quando a tensão é insuportável, o homem fantasia; fantasia durante o sono para metabolizar o turbilhão mental – o sonho; fantasia para evitar a total fragmentação entre o seu corpo físico e aquilo que entende por alma ou espírito ou consciência – a culpa é do mundo, cuja realidade pretende esmagá-lo – a loucura; fantasia porque precisa explicar a assombrosa existência: por que estou aqui, por que existe o mundo – a religião; fantasia dentro do que entende por pensamento ou raciocínio ou lógica, posso inventar um sistema alucinado, tudo é matéria, tudo é idéia, tudo é sombra, tudo é nada, tudo é tudo, desde que feche o sistema num outro sistema que não se contradiga – a filosofia; e fantasia por opção, criando universos particulares, brincando, jogando, sabendo todo o tempo que tudo é mentira – a arte 

as cinco faces da fantasia: o sonho, a loucura, a religião, a filosofia, a arte 

um amigo meu, mais tarde filósofo, acrescentou: a ciência tambémnão seria este aspecto da ciência um ramo da filosofia?

quanto papel, quanto escrito!  vou dormir.   

A Espécie Humana, romance de Jorge Teles, está sendo publicado em capítulos.

Leia o capítulo anterior.

Leia a partir do capítulo O.

Continua na semana que vem.

2 Comentários para “A Espécie Humana. Capítulo 19”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.