A Espécie Humana. Capítulo 16

durante o café, o menino falou:

pai, eu esqueci de perguntaronde está o morcego?

depois te mostro 

como descobriu que ele dorme atrás do espelho?

foi assim: sempre havia uns cocozinhos no meu presépio, embaixo do espelhoeu achava que era ratoum dia, eu estava limpando e ouvi um barulhinhoentão eu pensei: vou levantar o espelho e o ratinho vai sair correndomas não, levantei o espelho e o barulhinho continuouentão eu olhei e vi o morcegoé bem miúdo 

quero ver agora 

acabe de comer 

pouco depois, foi que levantei o espelho 

fiquem aqui em baixo, fica mais fácil de ver 

nossa!, pai, que bicho feio!

passe a mão nas costas deleparece de veludo 

eu, nunca!

o velho porém passou o dedo de leve sobre as costas do morceguinhoa cada toque ele abria a boquinha e se contraía 

é muito feioparece com o capeta 

risos 

pai, outro dia os meus amigos entraram aqui pra beber água e me perguntaram por que é que no seu presépio tem um diabo 

não é um diaboé um fauno 

ele tem pés de bode e chifre e está pelado 

e tem uma flauta de Pã nas mãos, veja 

mas nenhum presépio tem fauno!

eu quis fazer um presépio juntando todas as religiões, para o nascimento do Homemnão tive tempo de continuar, ou parei, não sei, e ficou só o fauno 

pô!  um fauno no presépio e um morcego atrás do espelhoeu vou, mas é brincar 

saiumeu pai pegou as ferramentas de jardim e saiu 

quer ajuda?

claro que não!

vou então lavar a roupa.   

A Espécie Humana, romance de Jorge Teles, está sendo publicado em capítulos.

Leia o capítulo anterior.

Leia a partir do capítulo O.

Continua na semana que vem.

Um comentário para “A Espécie Humana. Capítulo 16”

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.