Titia peladona

– Não – disse o diretor de redação. – Não aceito e está acabado. Na minha revista, o nu tem classe. E quem decide quem tem corpo, cara e estilo para merecer nossas páginas sou eu.

– Acontece – ponderou o subsecretário – que você não é o dono da revista. E se o dono quer colocar a tia dele pelada, vai colocar.

– E eu escrevo no índice: despimos a tia do patrão! Amigo leitor, ela tem o corpo de um saco de batatas, pernas tortas e cara de puta, mas compreendam: se não a tivéssemos fotografado eu perderia o emprego.

– Mais ou menos isso – ponderou o subsecretário. – Sempre você pode dizer: querido leitor, hoje abrimos espaço, em nome da igualdade de direitos e da equanimidade da expressão corporal, para a beleza trivial, da mulher comum.

РGrande! Mudamos a t̩cnica de vender a revista. Em vez de mulher bonita, damos ao leitor discursos edificantes.

O diretor passou o dia esperando que o patrão recobrasse o bom senso e desistisse da idéia estapafúrdia. Aquilo era uma intromissão intolerável. O patrão cuida dos negócios, a redação… da redação. Não se submeteria.

A agitação no aquário, a sala envidraçada do diretor, chamava a atenção de toda a redação. Pior: a essa hora até o pessoal da impressão devia saber de tudo. Até os jornaleiros. A concorrência…

– Já virei motivo de piada  – o diretor esbravejava. – Me demito.

– Deixa disso – ponderou o subsecretário. – Para começar, ela não deve ser muito passada. É filha de um caso que o avô do homem teve com idade avançada. Se demos aquela socialite toda caidaça ano passado, por que não a tia…

– Porque a socialite era a ninfomaníaca mais ativa da praça. Todo mundo queria ver como era. O material. Isso vende, sabe?

No dia seguinte, dez da manhã, o diretor surge com uma cara péssima. Noite mal dormida. Escrúpulos profissionais. Tinha decidido. Redigiu a carta de demissão, atravessou a redação e subiu as escadas para o andar da presidência. Um minuto depois, um dos contínuos arregalou os olhos.

РVixe! O que ̩ aquilo?

A redação parou. O crítico de vinhos desarrolhou uma exclamação. O diretor de fotografia levou a câmera ao olho e começou a disparar, embora estivesse sem câmera. A redação babava. O subscretário teve um estremecimento, agarrou o telefone e ligou para a portaria.

РAlcides, quem ̩ essa mo̤a, esse tremendo avịo que entrou na reda̤̣o?

Sim, era ela.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *