O ensurdecedor silêncio de Lula

O silêncio de Lula está impressionantemente, absurdamente ensurdecedor.

O cara é um falastrão. Um tagarela compulsivo, talvez doentio. Fala pelos cotovelos, fala mais que a boca. Começou a falar no palanque da Vila Euclides, nas assembléias dos metalúrgicos de São Bernardo, e não parou mais. Perdeu três eleições seguidas e, entre uma outra, andava pelo país falando feito pregador no púlpito, feito camelô da Praça XV quando chega a barca. Eleito, o que mais fez foi falar. Passou oito anos na Presidência fazendo no mínimo um discurso por dia. Às vezes três.

Mal foi liberado pelos médicos após o tratamento do câncer, voltou a falar.

Aí, a partir do meio-dia de sábado para cá, silenciou.

Um ministro da mais alta Corte de Justiça do país contou que, em conversa privada, Lula disse a ele que era melhor adiar o julgamento do mensalão. Na conversa privada, Lula falou sobre viagem dele, o ministro Gilmar Mendes, a Berlim – uma insinuação clara de chantagem.

A revista Veja começou a circular no início da tarde de sábado com as afirmações de Gilmar Mendes.

Lula, boca de siri. Caladinho. Nem um pio.

Se alguém me acusa de chantagem, de interferir em um julgamento do STF, e sou inocente, saio berrando pra quem quiser ouvir. Falo que nem Lula nos palanques de onde ele jamais saiu. Nego tudo de pé junto, uma, duas, mil vezes. Isso eu, humildérrimo jornalista aposentado. Ao Lula, bastaria fazer um sinal e teria diante de si, para ouvi-lo, toda a imprensa nacional, mais os 300 blogueiros progressistas na ocasião reunidos em convescote pago por entidades públicas na Bahia.

Lula, boca chiusa. Fechadinha.

Nélson Jobim desmente a Veja. Gilmar Mendes desmente o desmentido.

Lula, boca fechada.

Aí, na segunda-feira à tarde, 48 horas depois, o Instituto Lula divulga nota. “Meu sentimento é de indignação”, diz a nota do Instituto Lula.

A nota não diz que Gilmar, o amigo dele, mentiu. Diz que seu sentimento é de indignação contra a revista que revelou a conversa.

E diz não em uma nota sua. Lula, o que sempre falou mais que a boca, não falou em nota pessoal. Não falou em uma nota da sua assessoria, mas do Instituto Lula, como se o Instituto Lula fosse ele. Um instituto, uma fundação, não pertence a quem lhe empresta o nome. Mas Lula e o lulo-petismo sempre confundiram o público com o privado, sempre privatizaram para si o que é público, então não é de se espantar.

O que é de espantar é o silêncio do político que mais falou diante de um microfone em toda a História do Brasil, do Mundo, do Universo.

Um sîlêncio ensurdecedor. E eloquente. Tremendamente eloquente.

28/5/2012

5 Comentários para “O ensurdecedor silêncio de Lula”

  1. Brilhante o artigo todo. Reproduzirei em Pitacos assim que voltar para o posto de combate. Precisa sua colocação de que o uso do “Instituto”, em tese uma ONG não personalizada, é mais uma prova da apropriação privada do que é público. Dá dor no fígado ver Kassab e a Câmara Municipal doarem um terreno da municipalidade para esta instituição violadora da democracia.

  2. UM, muito bom, parabéns etc e tal. By the way, v. leu a coluna de ontem (29-05) da Dora Kramer, no Estadão? Também imperdível

  3. Excelente artigo! Preciso até no tom do deboche com este boca-aberta que é o ApeDELTA.
    Att.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *