Faíscas verbais

Um fato ocorrido com o então deputado Jair Bolsonaro, há 14 anos, mostra que, de lá para cá, ele não mudou nada. O episódio está no livro Faíscas Verbais, de Márcio Bueno. Abaixo, a íntegra do episódio. (Valdir Sanches)

Uma sessão da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, em maio de 2008, quase acaba em pugilato. O ministro da Justiça, Tarso Genro, defendia a demarcação de terras indígenas. O deputado ultraconservador Jair Bolsonaro, militar da reserva e defensor da ditadura militar, intervém:

– O ministro veio aqui para mentir e omitir. Ele entende bem o que é o terrorismo, ele que participou de grupos terroristas.

O ministro reage, elevando a temperatura:

– Quem fez ação terrorista aqui, deputado? O senhor está mentindo.

Nesse momento, o índio sateré maué Jecinaldo Barbosa, coordenador das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, joga um copo d’água nas costas do deputado e a confusão se espalha. Depois de tudo serenado, quando perguntam ao índio por que tinha jogado o copo d’água no deputado, ele explica:

– Joguei água porque não tinha flecha.

Fevereiro de 2022

 

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.