Vaidade é a areia movediça da razão (George Sand)

Numa entrevista para a BBC Brasil, o cientista político francês Olivier Dabène, diretor do Observatório Político da América Latina e Caribe (Opalc), da Universidade Sciences Po de Paris, que já lecionou na Universidade de Brasília, declarou que, comparado ao Brasil, o mundo é amador em corrupção.

Ao ler essa declaração, o Leitor ficou envergonhado, como eu fiquei? Confesso que cheguei a ficar indignada, até ler toda a entrevista e dar aos fatos o valor que os fatos têm… Para ser sincera, concluí que o professor Dabène foi até muito amável, usou palavras leves para nos definir: “Temos a impressão de que os políticos brasileiros não aprendem. Eles continuam fazendo a mesma coisa. É uma maneira instintiva de fazer política. É muito difícil mudar o comportamento e suas mentalidades. Eles vêem a política como algo que permite o enriquecimento pessoal. Não há uma visão da política como atividade que deva servir aos interesses gerais.”

Algo a desmentir ou a contrariar? Creio que não. Dou é graças a Deus do professor Dabène não ter comentado o julgamento no TSE. Só imagino o que ele diria ao ver o comportamento de alguns juízes. Muita vaidade, arrogância e exibicionismo, tudo aquilo que nunca deveria ser demonstrado numa Corte de Justiça.

John Adams, o segundo Presidente da República dos EUA (de março de 1797 a março de 1891) disse certa vez que  “os fatos são teimosos; sejam quais forem nossos desejos, ou nossas inclinações, ou os ditames de nossas paixões, isso não conseguirá alterar os fatos ou as evidências”. Verdade absoluta.

Desde o Mensalão, os juízes do STF se tornaram figurinhas fáceis em nossos ‘papos de boteco’. Já os do TSE só agora entram em nossas conversas e eu já tenho o meu favorito: o relator Herman Benjamin. Gostei dele, de seu modo simples de falar, do seu respeito aos fatos e da sua elegância de modos. Admiro sua determinação em não se deixar vergar por vaidade ou arrogância, e por seu modo singelo e firme de não retrucar às pegadinhas de colegas mais nervosos, como Gilmar Mendes, ou mais originais, como o novato Admar Gonzaga, que disse que não costuma conferir o saldo de sua conta bancária, que não controla sua movimentação. Felizardo ele, não? Queria eu, sinceramente, não precisar conferir quanto ainda tenho até o início do mês seguinte…

Escrevo na quinta à noite. Não sei, por óbvio, qual será o resultado do julgamento. Estou de dedos cruzados torcendo, com todo empenho, para que o resultado seja o melhor para o bem do Brasil.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 9/6/2017. 

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.