Um bocado bruto de realidade

zzhustler1

Ainda hoje, a meio de um filme, quando acordo sobres­sal­tado do deli­ci­oso embalo de sono de um minuto, fico ali a pen­sar que estou a ver no ecrã a mais pura rea­li­dade, que aque­las som­bras não são acto­res, mas sim pes­soas a viver mesmo o que, por isso, tão bem representam.

Vi The Hus­tler nos anos 60. Não fazia a mínima ideia do que era o “film noir” e ainda menos o que era um rea­li­za­dor, um argu­men­tista. E embora me juras­sem, não estava nada con­ven­cido de que via no ecrã outra coisa que não o que, espon­tâ­nea e rea­lis­si­ma­mente, as per­so­na­gens viviam.

The Hus­tler, negrís­simo filme de Robert Ros­sen, foi assim que o vi. Aquilo era o que era: os obs­cu­ros e espes­sos salões de bilhar, tão pouca luz e tanto fumo, o des­me­su­rado exis­ten­ci­a­lismo, o mau álcool, o suor infecto e um medo e uma vio­lên­cia que é um exclu­sivo do mundo mas­cu­lino e que nenhuma mulher con­se­guirá per­ce­ber nos dias da sua vida. Um filme era um bocado bruto de realidade.

Foi nesse The Hus­tler, de mui­tos losers e pouco ganho, que conheci Paul New­man. A preto e branco, sem ter nos olhos o azul do tech­ni­co­lor desse outro filme em que não con­se­guia, para deses­pero dele e de toda a pla­teia, dar a Eli­za­beth Tay­lor o zinco quente que a gata pedia.

Para mim, um filme não podia ser um faz de conta. E volto a The Hus­tler, à cena em que Paul New­man, joga­dor ator­men­tado e obses­sivo, encon­tra Piper Lau­rie, escri­tora a escon­der o desejo de sublime num corpo alei­jado. Dois estra­nhos, fan­tas­mas insa­tis­fei­tos, aca­ba­vam na cama e ele, na manhã “after”, chamava-lhe Sarah:

Ela: Como sabes que o meu nome é Sarah?
Ele: Disseste-mo tu.
Ela: Menti-te. Quando estou bêbada, minto.
Ele: Ok, então como é que é o teu nome hoje?
Ela: Sarah.

zzhustler2

Diziam este diá­logo e eu achava que o viviam, que nin­guém o escre­vera, e que tinham estado na cama antes e bêba­dos toda a noite. Na dis­pli­cên­cia de meia-dúzia de pala­vras, da boca de New­man e Lau­rie saía um mundo de desen­canto, uma angús­tia exis­ten­cial que eu andava a ler na Náu­sea de Sar­tre, mas que só agora me inva­dia o corpo, auto­ri­zado que fora a entrar no quarto sór­dido, a sentar-me ao lado da cama deles, o cheiro do sexo alheio a vir-me ao nariz.

Quando fui a The Hus­tler não fui ao cinema, fui à vida.

Este artigo foi originalmente publicado no semanário português O Expresso.

manuel.s.phonseca@gmail.com

Manuel S. Fonseca escreve de acordo com a antiga ortografia.

The Hustler no Brasil é Desafio à Corrupção.

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.