As flores do bem, as flores do mal

O perigo pode morar nas flores, é o que constatei recentemente. Quando alguém abre a porta e, do outro lado, surge um braço carregando um buquê, é certo que corações se derretam. Quem envia expõe sua gentileza e homenageia quem recebe com o melhor de sua humanidade. Flor combina com tudo de belo e bonito que conhecemos e sonhamos. Lembro-me de dois brasileiros craques na modalidade de presentear com flores. Um era Carlito Maia, mineiro morador de São Paulo: todo artista de sua terra natal que fizesse alguma apresentação em território paulistano se deparava, ao chegar ao camarim, com um ramalhete de perfume e beleza.

Outro é o nosso Sinval, que é Leão no nome, mas carrega, em lugar de juba, uma ramada de cortesia. Foi com esses, e certamente com o Tavinho Moura, orquidófilo e passarinheiro musical, que aprendi a buscar nas flores a melhor prenda a oferecer. Mas, mesmo em matéria de orquídeas e violetas, todo cuidado é pouco.Pequenos gestos de delicadeza podem gerar conflitos e mal-entendidos.

A pedido de minha filha, fui ao encontro do território das folhas e das pétalas. Levava comigo um cartão, em que ela escrevera uma dedicatória para a sua amiga, que aniversariava naquele dia. Por estar viajando, ela não sabia se voltaria a tempo para a comemoração. Ao lado do cartão, eu levava o endereço da entrega e até o roteiro para se chegar lá. A rua e o bairro são conhecidos, não seria necessário tanto cuidado. Mas eu passei tudo isso para o funcionário que me atendeu.

Tive o cuidado de escolher um exemplar que fosse belo e duradouro e, ao mesmo tempo, coubesse em uma caixa e pudesse ser transportada no bagageiro de moto sem machucar. Aquela perfeição, aquela formosura, aquela lindeza plena de frescor certamente ajudaria a embalar o dia da aniversariante.

Eu não contei com a possibilidade de descuido do florista, que não pôs o cartão na caixa das flores ou não o grampeou. Eu sempre confiro se o envelope está firme entre as flores. Assim, o motoqueiro entregou as orquídeas “ sem retrato e sem bilhete”, como diz a canção de Noel Rosa.

Imagine a situação. O marido manda as suas flores e a mulher recebe duas, uma sem indicação de procedência, anônima. Se se tratasse de pessoas não civilizadas, a cizânia estaria instalada.

Não foi, não deve ter sido, o caso. Mas sempre fica um certo incômodo no ar. A sorte foi que, no meio da noite, na hora da festa, quem mandara as flores, chegando mais cedo de viagem, apareceu. E foi logo perguntando à aniversariante se ela gostara das flores. Alívio geral no campo e na arquibancada, sorrisos e brindes.

Fica uma lição para mim, que repasso para vocês: confiram tudo ao enviar presentes, para que as flores do bem não se transformem em flores do mal.

Agosto de 2010

Esta crônica foi originalmente publicada no Estado de Minas

Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.