O guia de filmes mais vendido do mundo acabou

Pode-se até não gostar dele, mas o guia de filmes de Leonard Maltin é uma instituição – e uma instituição importante, venerável, respeitável. Não só é o guia de filmes mais vendido do mundo, como é, certamente, o mais longevo, o que teve maior número de atualizações.

zzzzsuporte4O guia de Maltin existe desde 1969; a partir de 1978, tem tido novas edições a cada ano, com o acréscimo de cerca de 300 novos títulos.

Não tenho idéia de quantas edições já comprei – seguramente mais de dez. Tenho ainda a de 2011 (as anteriores, pus fora); em dezembro de 2014, fiz a bobagem de comprar a que encontrei na Livraria Cultura, que era a edição de 2013. Deveria ter esperado um pouco mais para comprar uma mais nova. Agora na segunda-feira de carnaval fui à Cultura e lá estava a edição de 2015.

É uma tradição; a cada ano, por volta de setembro, sai a primeira impressão, com a data do ano seguinte. A cada ano, o guia fica entre os livros mais vendidos na lista do New York Times. Esta edição que acabei de comprar foi lançada em setembro de 2014. Entre os cerca de 300 novos títulos há filmes bem recentes, como Fading Gigolo, no Brasil Amante a Domicílio, de John Turturro, com ele, Woody Allen, Sharon Stone, e Nebraska, o mais novo Alexander Payne, com Bruce Dern.

É chocante: esta edição é a última. Não haverá o Leonard Maltin’s 2016 Movie Guide.

Acabou. Não vai ter mais.

O guia de filmes de Leonard Maltin vai se juntar à lista de instituições que acabaram, como o Império Romano, a PanAm, o Mappin, o Repórter Esso, o Jornal do Brasil, o Correio da Manhã, a Gazeta Mercantil, a Newsweek, a Life Magazine.

***

zzzzmaltin87Maltin dá a informação na “Introduction to 2015 Edition”, que ocupa duas páginas e meia no início do volume de 1.612, com cerca de 16 mil filmes resenhados. Custei a acreditar no que estava lendo, de pé na Avenida Paulista, enquanto Mary estava num caixa automático:

“Esta é a edição final do Leonard Maltin’s Movie Guide. Não há maneira de suavizar ou evitar a notícia, embora eu não possa fingir que ela venha como um choque. Com o acesso imediato à informação na internet, nosso número de leitores tem diminuído a uma taxa alarmante. Os seguidores fiéis do livro sabem que lutamos para oferecer algo que não se encontra com facilidade online: informação acurada e amigável, juntamente com nossas próprias críticas e cotações. Mas quando um número crescente de pessoas acredita que tudo deve ser grátis, é impossível sustentar um livro de referência que requer um quadro de colaboradores e editores.”

Maltin lembra que a primeira edição, a de 1969, tinha o título de TV Movies. Ele não historia todos os títulos que o guia já teve – Leonard Maltin’s TV Movies and Video Guide, depois Leonard Maltin’s Movie and Video Guide, até chegar ao atual Leonard Maltin’s Movie Guide. Mas lembra que, quando foi publicada primeira edição, com cerca de 8 mil títulos, tudo o que ele viu foram as imperfeições e os problemas. “Trabalhei duro para melhorá-lo desde então e, com a ajuda de meus colaboradores e um número de leitores sagazes, acredito que nos tornamos uma fonte mais acurada e confiável.”

É de fato um trabalho de equipe. Sob a supervisão geral de Maltin – que também escreve pessoalmente vários dos verbetes –, trabalhava uma equipe de 12 pessoas. Uma pequena redação.

Ele termina sua introdução assim:

zzzzmaltin95“Neste mundo em constante mudança, é impossível predizer o que está por vir. Quem sabe? Algum dia pode ser que consigamos reunir a turma de novo para prover informações e resenhas em outra forma… mas, agora, é adeus. Ninguém teve uma audiência melhor, mais inteligente, mais engajada. Obrigado por terem participado e por terem tornado possível essa jornada tão estimulante.”

Houve, em 2009, uma tentativa de colocar o guia num app, Mas houve desentendimento entre a empresa, Mobile Age, e a Penguin Publishing, que edita o guia em papel.

***

“Quando um número crescente de pessoas acredita que tudo deve ser grátis, é impossível sustentar um livro de referência que requer um quadro de colaboradores e editores.”

Meu Deus do céu e também da terra!

Informação não é grátis. Informação custa caro. Quem quer informação tem que pagar por ela.

Era assim. Sempre tinha sido assim. Deveria ter continuado sempre a ser assim. Infelizmente, abriram-se todas as porteiras quando a internet chegou. Os grandes jornais, os grandes grupos de imprensa demoraram a perceber que tinham que cobrar pelo conteúdo. Quando perceberam, já tinha havido o estouro da boiada.

Todos eles, nos últimos tempos, de uma forma ou de outra, vêm tentando botar alguma ordem na zorra, tentando estabelecer um pouco de lógica, e, de alguma forma, receber pagamento pela informação que põem em seus portais e sites. Mas é difícil depois que a boiada já estourou. Depois que a pasta de dente já saiu do invólucro, para usar a imagem criada pele mente tortuosa, troncha da presidente da República.

***

zzzzmaltin14O próprio Maltin diz logo de cara, no seu texto de introdução, que o fim do guia não é um choque, que já era mesmo de se esperar que um dia isso viesse a acontecer.

A rigor, a rigor, sim, seria mesmo de se esperar. Os suportes físicos estão desaparecendo muito rapidamente. Sobram poucas lojas de discos em São Paulo, só para lembrar de um exemplo mais notável, mais visível. Os grandes jornais não trazem mais aqueles cadernos gordos de classificados.

A Newsweek deixou de circular. A Life deixou de circular.

Sim, a rigor, a rigor, é preciso mesmo imaginar um mundo sem o New York Times, o Estadão, O Globo, a Folha em papel.

Mas é um choque. Para mim, isso tudo é um choque, um pavor, um absurdo.

18 de fevereiro de 2015

3 Comentários

  1. Postado em 19/02/2015 às 11:23 am | Permalink

    Sergio, do que mais sentirei falta serão as videolocadoras, onde os clientes possam se encontrar, trocar informação e onde haja diversidade de títulos. No meu bairro ainda temos uma que faz exclusivamente aluguel de DVDs e blu-rays. As que sobraram, com catálogo mais restrito, também vendem comida ou suplementos vitamínicos.

  2. Sérgio Vaz
    Postado em 19/02/2015 às 2:09 pm | Permalink

    É uma imensa tristeza, não é, Stella?
    No meu bairro, tínhamos até ano passado uma loja de uma das melhores locadoras de São Paulo e do Brasil, a 2001 Vídeo. Fechou aquela loja – em boa parte por causa do aluguel absurdo. (Ironicamente, o imóvel ainda não foi ocupado; está lá às traças, se degradando.)
    Felizmente uma locadora independente, de bom acervo, a Top Cine, ainda se mantém no bairro. E, graças ao bom Deus, está sempre com movimento quando vou lá.
    Mas sinto falta das lojas de discos… Vou sentir falta dos guias do Leonard Maltin… É o fim de uma era, de um ciclo de vida…
    Triste.
    Um abraço.
    Sérgio

  3. Jussara
    Postado em 08/03/2015 às 3:36 pm | Permalink

    Pois é, faz dias que queria comentar isso com você lá no 50ADF, pois li essa notícia no final do ano passado, quer dizer, vi um vídeo da filha dele falando sobre, e queria te perguntar se você estava sabendo, pois mesmo saindo da boca dela, fiquei sem acreditar (e se eu tivesse entendido errado?). Mas não, eu havia entendido certo. Fiquei quase tão chocada quanto você.

    Não sei ainda como lido com essa coisa do provável fim dos suportes físicos, não parei pra pensar a respeito. Continuo comprando livros (de papel); só compro e-books quando não há tradução para o português, mas não acho a leitura em eletrônicos agradável, talvez seja questão de me acostumar. CDs e DVDs só compro quando gosto muito do artista/filme. Espero que nada disso acabe, embora para músicas e filmes eu não faça tanta questão do suporte físico; mas se não for possível, torço para que pelo menos os livros continuem (é horrível quando um livro sai de catálogo, ou quando esgota, e a editora não faz outra edição). Torço também para que a Mary esteja certa, e os livros voltem a ser moda daqui uns anos, ainda que custando os olhos da cara (embora para mim eles já custem isso hoje).

4 Trackbacks

  1. […] Leonard Maltin deu 2 estrelas em 4: “Extensa saga familiar sobre três irmãos criados em Montana por seu iconoclástico pai – um ex-oficial da cavalaria que deixou o serviço em protesto contra o assassinato e a exploração dos índios. A trama à la Edna Ferber é cheia de rivalidades entre os irmãos, olhares significativos, e calorosas frases. Muitos espectadores – especialmente fãs do bonitão (Brad) Pitt – apaixonaram-se por este filme, mas sua história vai ficando mais tola à medida que avança, perdendo credibilidade a cada novo episódio. As atuações são bastante monótonas, exceto por (Henry) Thomas como o irmão mais novo.” […]

  2. Por 50 Anos de Filmes » O Picolino / Top Hat em 22/03/2015 às 2:51 am

    […] entrevistado, Leonard Maltin, o autor do guia de filmes mais vendido do mundo, corrobora: “Isso forçou os diretores, os […]

  3. […] última edição em papel de seu veterano e imprescindível guia, a de 2015, seguramente pressionado pela entrada de novos títulos, Maltin simplesmente jogou fora […]

  4. […] O Movie Guide 2015 tem uma informação chocante, apavorante. Vou falar disso num outro post. […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*