Um dos momentos mais vergonhosos da História

Jair Bolsonaro, o Capitão das Trevas, o adorador de torturadores, torturou os brasileiros nesta sexta-feira, 24/4, com cerca de 45 minutos de um dos mais patéticos, absurdos, ridículos, vexaminosos pronunciamentos da História do Brasil. Continue lendo “Um dos momentos mais vergonhosos da História”

A chuva e o trovão

Se Jair Bolsonaro, algum dia, leu um livro de poemas, certamente não há de ter sido algum dos mais belos livros de poesia do poeta persa Maulana Jalaladim Maomé, também conhecido como Rumi. Poeta, jurista e teólogo sufi persa do século XIII, Rumi nos deixou palavras que nos fazem pensar e crescer interiormente. Exemplo: “Eleve suas palavras, não a sua voz. É a chuva que faz brotar as flores, não o trovão”. Continue lendo “A chuva e o trovão”

Um governo ainda pior do que parece

São tantos e tão frequentes os disparates e impropérios ditos pelo presidente Jair Bolsonaro que o país passou a considerá-los normais. Mesmo multiplicadas nestes tempos de coronavírus, as asneiras diárias já nem mais espantam. Mas conseguem, como se calculadas fossem, encobrir o quanto o governo é inepto, pernicioso, ruim. Continue lendo “Um governo ainda pior do que parece”

Um show para a História

Foi o mais fantástico, importante, impactante, histórico, sensacional acontecimento da música pop do mundo desde o Live Aid – os dois concertos simultâneos em Londres e na Filadélfia reunindo todos, todos os grandes grupos e artistas dos países de língua inglesa, no dia 13 de julho de 1985, para arrecadar dinheiro para ajudar as vítimas da fome na África. Continue lendo “Um show para a História”

Vamos lá, Leitor, aperte o cinto e abrace a bóia

Desculpe, Leitor, a nota é curta como curtíssima é minha paciência com esse governo sem eira nem beira: despreparado, desestruturado, sem cultura, sem educação. Um governo que vive exigindo que o levem a sério, que pede por respeito, que se diz ignorado. Continue lendo “Vamos lá, Leitor, aperte o cinto e abrace a bóia”

O mundo pós-pandemia

Já há um grande debate sobre o redesenho da ordem mundial, quando a crise do coronavírus passar. Há projeções para todos os gostos. As mais catastrofistas vão do fim do capitalismo ao surgimento de um “comunismo redesenhado”, como avalia o filósofo esloveno Slavoj Žižek. Continue lendo “O mundo pós-pandemia”

Insensatez contra insensatez

Na Sexta-feira Santa, enquanto o Brasil contava mais de mil mortos pela Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro chocava o país ao dar a mão a uma idosa depois de esfregar o nariz no antebraço, próximo ao pulso. Voltava às ruas não só pela birra de desobedecer às recomendações de seu ministro da Saúde, mas principalmente para acirrar o confronto com o seu desafeto-mor João Doria, que no dia anterior ameaçara prender quem violar a regra de isolamento. Continue lendo “Insensatez contra insensatez”

Água, sabão, álcool em gel e muita fé em Deus

O que será que leva Jair Messias Bolsonaro a se comportar como um moleque ignorante e rebelde? Quem será que o convenceu a agir desse modo e quais as razões apresentadas que fizeram com que ele seguisse essas pífias orientações? Continue lendo “Água, sabão, álcool em gel e muita fé em Deus”

É Cada Uma…

Geopolíticamente, quem podeLá saiL foltaLecido dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos? Continue lendo “É Cada Uma…”

Nau sem comando

Coesão, perseverança e equilíbrio são fatores fundamentais para o Brasil enfrentar a pandemia do coronavírus. Ao presidente competiria usar a autoridade que a Constituição lhe confere para liderar os brasileiros nessa dura travessia. A missão de comandar é indelegável, quanto mais em tempos de guerra. O Covid-19 pode provocar a morte de 110 mil brasileiros nos próximos meses e a recessão bate à nossa porta. O Brasil, portanto, não precisa que se instale uma crise de autoridade em um quadro tão dantesco. Continue lendo “Nau sem comando”