A gerenta

Políticos, quando precisam exibir eficiência ou amainar cobranças administrativas, cultivam o hábito de apelar aos técnicos. Uma categoria que no imaginário coletivo não carrega a pecha nem os vícios da política e dos políticos. Continue lendo “A gerenta”

Cuba sem sinais vitais

Nos anos 60, o filósofo Jean-Paul Sartre escrevia “Furacão sobre Cuba”. Um grupo de valentes jovens barbudos descia a Sierra Maestra para expulsar um ditador, varrer um regime opressivo , trocar o domínio imperialista pela autodeterminação de um povo, e para iniciar a construção do “homem novo” em Cuba, pátria de José Marti, herói da independência do país caribenho. Continue lendo “Cuba sem sinais vitais”

Maldita herança bendita

Com avaliação recorde, quanto mais para uma estreante, e bem tratada na China, onde obteve êxito de fazer inveja aos mais hábeis comerciantes, a presidente Dilma Rousseff tinha tudo para festejar sua primeira semana pós-100 dias. Poderia fazê-lo à vontade não fosse a incômoda herança que ela terá de se esforçar para não chamar de maldita. Continue lendo “Maldita herança bendita”

Discriminação e privilégio

Discriminação e privilégio são opostos que se atraem. E com tamanha força que se tornam inseparáveis. Como ovo e galinha, nunca se saberá qual vem primeiro, muito menos qual entre os dois exerce supremacia sobre o outro. Se a discriminação endossa preconceitos e nega paridade entre iguais, o privilégio age em favor de uns sempre discriminando outros. Portanto, não há como fugir: privilegiar é discriminar e vice-versa. Continue lendo “Discriminação e privilégio”

De bico virado

Sem conseguir superar suas lutas fratricidas, que corroem a sigla ano após ano, e longe de se portar como o maior partido de oposição do país, o PSDB parece ser o único a desconhecer o recado que o eleitor lhe enviou ao derrotar José Serra e eleger Dilma Rousseff. Continue lendo “De bico virado”

A cabeça na bandeja

Na gestão de Roger Agnelli, a Vale cresceu 17 vezes e se tornou uma das maiores mineradoras do mundo. No universo corporativo, os indicadores de crescimento, faturamento e lucro que proporciona aos seus acionistas são usualmente considerados fatores decisivos para avaliar o desempenho de um executivo. Continue lendo “A cabeça na bandeja”

Quali x quanti

Com 27 siglas registradas no Tribunal Superior Eleitoral, outras sete na fila de espera, duas pré-aprovadas – Partido Democrata Nacional (PDN) e Partido da Mulher Brasileira (PMB) – e outra, o Partido da Pátria Livre (PPL) quase pronta, o Brasil é um dos campeões mundiais em número de partidos políticos. Continue lendo “Quali x quanti”

Inútil!

A Comissão de Reforma Política do Senado faz a pulga coçar bem detrás da orelha. Da velocidade que imprimiu aos trabalhos às cortesias entre desafetos. Continue lendo “Inútil!”

Liberais em falta

Houve um tempo, mais precisamente durante o vintênio militar, que ser de direita no Brasil não era apenas de bom tom, como era praticamente obrigatório, sob pena de ser mal visto, na mais benigna das hipóteses, ou de ser preso e torturado, na mais policialesca e brutal das hipóteses. Continue lendo “Liberais em falta”