Nau sem comando

Coesão, perseverança e equilíbrio são fatores fundamentais para o Brasil enfrentar a pandemia do coronavírus. Ao presidente competiria usar a autoridade que a Constituição lhe confere para liderar os brasileiros nessa dura travessia. A missão de comandar é indelegável, quanto mais em tempos de guerra. O Covid-19 pode provocar a morte de 110 mil brasileiros nos próximos meses e a recessão bate à nossa porta. O Brasil, portanto, não precisa que se instale uma crise de autoridade em um quadro tão dantesco. Continue lendo “Nau sem comando”

Apesar de Bolsonaro

Dos três grandes jornais de circulação nacional, a Folha de S. Paulo foi o que teve a manchete mais correta nesta terça-feira, 7 de abril. A do Globo chamou a atenção para um detalhe importante – mas em seguida teve um tropeço. E O Estado de S. Paulo, numa decisão editorial que me parece incompreensível, optou por não dar importância ao grande fato do dia. Continue lendo “Apesar de Bolsonaro”

A mentira como política de governo

Diante de um pedido de explicação feito pelo STF, a Presidência da República, por meio da Advogacia Geral da União (AGU), afirmou que os atos de Jair Bolsonaro estão de acordo com “as políticas adotadas no mundo e com as recomendações científicas, sanitárias e epidemiológicas”. Continue lendo “A mentira como política de governo”

Uma no Cravo, outra na Ferradura!

Foi o que fez o nosso ilustre presidente nesta semana.

Depois de ter dado uma martelada errada na ferradura, interpretando maldosamente a declaração do Tedros Adhanom, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), apareceu pouco depois, em cadeia (não, não aquela) nacional com um pronunciamento que beirou o equilíbrio emocional e, quase, a lucidez. Continue lendo “Uma no Cravo, outra na Ferradura!”

Covid-19 reinventa o Estado forte

A recessão mundial de grandes proporções que bate à porta da humanidade coloca o papel do Estado como essencial para responder a esse grande desafio. A rigor, ele é chamado a socorrer a economia em momentos de grave crise, como na Grande Depressão de 1929, nas Guerras Mundiais do século passado ou em outras crises sistêmicas. Continue lendo “Covid-19 reinventa o Estado forte”

O Brasil tem que parar Bolsonaro

Por insanidade, egocentrismo, cálculo político, má-fé ou tudo isso junto, na semana passada o presidente Jair Bolsonaro iniciou mais uma guerra. Disparou tiros para todo lado, alguns fatais, como o afrouxamento do isolamento social, outros nos seus próprios pés. Na tentativa de destruir desafetos, acertou a culatra ao dar palanque nacional aos governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, pré-candidatos à Presidência em 2022. Continue lendo “O Brasil tem que parar Bolsonaro”

O país precisa achar uma forma de se livrar desse doente

Jair Bolsonaro quer que as escolas sejam reabertas, que o comércio seja reaberto. Assinou medida provisória para que igrejas e lotéricas fiquem abertas. As escolas continuam fechadas. O cardeal-arcebispo Dom Odilo Scherer determinou que as missas em São Paulo continuem suspensas. As ruas das maiores cidades do Brasil estiveram tão vazias nesta quinta-feira quanto estavam na terça, antes do pronunciamento hara-kiri do presidente da República. Bolsonaro fala, o Brasil responsável toca em frente. Continue lendo “O país precisa achar uma forma de se livrar desse doente”

#AcabouBolsonaro

Em cadeia nacional de rádio e televisão, Jair Bolsonaro encaminhou à Câmara dos Deputados o pedido de seu próprio impeachment. Levou 4 minutos para ler o texto. Continue lendo “#AcabouBolsonaro”

A calamidade pública número um

“A calamidade pública número um não é o coronavírus”, diz o título do artigo de Rolf Kuntz publicado em O Estado de S. Paulo no domingo, 22/3. “A número um, a maior e mais perigosa, assola o País há mais de um ano, pondo em risco a economia, a cultura, a gramática, as instituições, a natureza, o decoro e a saúde pública.” Continue lendo “A calamidade pública número um”

#ForaPopulismo

Populismo é uma praga. Devasta países, asfixia a democracia, escraviza povos. Uma peste indomável, disseminada igualmente pela direita e pela esquerda. Nas crises, a capacidade destrutiva dos populistas fica ainda mais escancarada. Indisfarçável, explode diante da mais grave pandemia global dos tempos modernos. Continue lendo “#ForaPopulismo”

Colaborando com Eduardo Bananinha

O vice Hamilton Mourão, querendo defender Eduardo Bolsonaro, foi engraçado, mas não foi verdadeiro. Como assim o Zero-Zero não representa o governo? Ele, além de ser filho do presidente da República, não é um parlamentar brasileiro, não é, segundo consta, o deputado mais votado do Brasil nas últimas eleições? Continue lendo “Colaborando com Eduardo Bananinha”

Virulência!

Eita semaninha infectada essa!

O Coronavírus, que não passava de uma fantasia até a terça-feira passada na cabeça do nosso presidente, está se transformando numa poderosa arma destruidora de vidas e, ao que tudo indica, de neurônios também, pelo tanto de besteira que se tem ouvido e visto por aí. Continue lendo “Virulência!”