Dirceu Martins Pio

Dirceu Martins Pio tinha maneiras suaves, um jeito extremamente calmo, manso de falar. Não me lembro de ter visto o Pio bravo, berrando no meio de uma discussão. Embora paulista, e com muitos anos de Paraná, onde se radicou, parecia um mineirim – essa coisa que imaginamos para os mineiros, sujeito tranquilo, sempre de boa paz. Continue lendo “Dirceu Martins Pio”

Do Tocantins aos sons dos tempos do onça

Para ouvir a valsa “Carrossel”, com André Kostelanetz e sua orquestra de concerto, girei várias vezes a manivela, movi o braço com a peça onde se encaixa a agulha e baixei-os sobre o disco que girava. Gesto comum nas primeiras décadas de 1900. Se não citei uma corneta, é porque meu gramofone não tem o dispositivo. É um modelo portátil. Continue lendo “Do Tocantins aos sons dos tempos do onça”

José Maria Mayrink

Os jornalistas que cobriam as Assembléias Gerais da CNBB, em Itaici, circulavam pelos belos jardins do lugar, onde podiam entrevistar os bispos fora dos momentos de reunião. Já acompanhar os trabalhos no auditório onde se reuniam era um tanto penoso. Não para o Mayrink. Continue lendo “José Maria Mayrink”

Shazam! – e o repórter voava

Anotações de um confinado.

Um simples telefonema pode transformar um sujeito cansado, tarde da noite, em um enviado especial. Então… À uma e meia da madrugada, os últimos convidados de uma festa tinham saído. Este que vos escreve já estava no quarto, olhando amavelmente para a cama. O telefone toca, Haydeé atende. “É o Mitre.” Continue lendo “Shazam! – e o repórter voava”

Laerte Fernandes

Educado. Simpático. Sempre sorridente. Prestativo. Discreto. Um gentleman. Um excelente caráter. É impressionante como os mesmos conceitos foram sendo usados nas últimas horas pelas pessoas que conviveram com Laerte Fernandes, ao saberem de sua morte. Continue lendo “Laerte Fernandes”

A PEC do reitor da UERJ estava em caixa alta

Nos velhos e bons tempos, quando se usava essa expressão, e não se supunha a existência da informática e do Google, os jornais eram escritos para entendimento “do engenheiro ao lixeiro (hoje coletor)”. Não usavam linguagem técnica como o economês ou o juridiquês, sem “traduzi-las” para o leitor. Tão pouco o deixavam sucumbir à hermética das siglas. Isto, se bem lembro, valia também para o noticiário da tevê. Continue lendo “A PEC do reitor da UERJ estava em caixa alta”

Palavrão no Estadão!

Anotações de um confinado, volume 8.

Quem diria, o Estadão, aos 141 anos de idade, escrevendo palavrão. É verdade que só reproduziu os que foram ditos na assombrosa reunião de ministros da sexta-feira, 22 de abril, com Jair Bolsonaro, pelo próprio. Continue lendo “Palavrão no Estadão!”

Luiz Maklouf Carvalho

Luiz Maklouf Carvalho tinha, entre tantas qualidades, a ousadia. Este grande amigo que faleceu hoje, levado por um câncer aos 67 anos, deixa um legado de obras e prêmios importantes. Livros sobre Lula, Bolsonaro, para citar os mais recentes; prêmios Esso, Vladimir Herzog, Jabuti.  Continue lendo “Luiz Maklouf Carvalho”

Nirlando Beirão

Nirlando Beirão não era apenas um dos melhores textos do jornalismo brasileiro. Sim, isso ele era, e tenho absoluta certeza de que ninguém discutiria sobre o assunto. É uma certeza unânime. Continue lendo “Nirlando Beirão”

Anotações de um confinado, volume 4

Num gesto impulsivo, resolvi abrir o baú (no comum chamado boxe). Levantei a parte de cima da cama, com o colchão, e surgiram velhos jornais e revistas, com matérias que produzi, ou me dizem respeito. Folheando jornais, dei com uma manchete muito bem sacada.  Madonna se apresentava no Rio, em 2008. Conheceu o modelo brasileiro Jesus Pinto da Luz e caiu de amores por ele. Continue lendo “Anotações de um confinado, volume 4”

Randáu Marques

Randáu de Azevedo Marques foi  precursor do jornalismo voltado para o meio-ambiente no Brasil. Muito, mas muito antes de grandes nomes como André Trigueiro, Liana John, antes mesmo de nosso colega e patrão Rodrigo Mesquita, um dos fundadores do S.O.S. Mata Atlântica, Randáu Marques já escrevia suas belas, bem fundamentadas reportagens sobre meio-ambiente no Jornal da Tarde. Continue lendo “Randáu Marques”

Apesar de Bolsonaro

Dos três grandes jornais de circulação nacional, a Folha de S. Paulo foi o que teve a manchete mais correta nesta terça-feira, 7 de abril. A do Globo chamou a atenção para um detalhe importante – mas em seguida teve um tropeço. E O Estado de S. Paulo, numa decisão editorial que me parece incompreensível, optou por não dar importância ao grande fato do dia. Continue lendo “Apesar de Bolsonaro”