Garçons sinceros

Na noite em que conheci o garçom mais sincero da minha vida, estávamos recém-chegados a Passos, no sul de Minas, para matéria sobre a Hidrelétrica de Furnas. Este da caneta, e Hélvio Romero, das câmeras e objetivas (mas pode chamar de texto e fotos). A hidrelétrica estava muito mal, com água pelas canelas. Continue lendo “Garçons sinceros”

No bar até as 2 da tarde

Naquele tempo jurássico, pré-histórico, pré-computador, uns dez anos antes de a S. A. O Estado de S. Paulo entrar no maravilhoso mundo novo – comprando o Atex, o sistema editorial que já nasceu velho, ultrapassado –, o último a fechar as páginas da editoria deixava um recado na mesa do pauteiro que chegaria dali a umas poucas horas, de manhãzinha. Continue lendo “No bar até as 2 da tarde”

Uma aposta no foca

Em fevereiro de 1971, o editor de Reportagem Geral do Jornal da Tarde, Fernando Portela, tomou uma decisão arriscada, para dizer o mínimo. Ousada, perigosa: incumbiu um foca, um absoluto foca, de viajar para o Recife para fazer amplas reportagens sobre o carnaval da cidade. Continue lendo “Uma aposta no foca”

Afinal

Valdir Sanches estava mexendo em fotos feitas por colegas profissionais das lentes – daquelas antigas ampliações em papel fotográfico –, e deparou com esta aí. Não se lembrava dela.

Eu me lembrava. Mais que velha, é uma foto histórica. Continue lendo “Afinal”

O furo da telefonista do jornal

Duas horas da madrugada. Os jornalistas que cobrem a guerra da Nicarágua vêem a porta de um salão se abrir, no Hotel Intercontinental, em Manágua, e já imaginam o que está para acontecer. Políticos que terminavam uma reunião anunciam que um deles é o novo presidente da República. O que interessava: Anastasio Somoza havia deixado o poder, depois de 42 anos de ditadura. Continue lendo “O furo da telefonista do jornal”

O Caravelle sequestrado

A seção Há 50 Anos, publicada diariamente pela Folha, destoa do resto do jornal por suas fotos em preto-e-branco e fatos que passaram para a História, muitas vezes para o esquecimento. Imagine o susto de um veterano repórter ao correr os olhos pela seção e descobrir que cobriu os fatos ali relatados. Há meio século! Continue lendo “O Caravelle sequestrado”

O assalto ao Banco Itaú

No início de 1980 passei a dividir a chefia de Reportagem Geral do Estadão com José da Silva (nome fictício), um dos sujeitos mais agitados que conheci. Na mesma época, por indicação do Faustão, então repórter esportivo, fui chefiar a Reportagem do sistema Globo de Rádio (Globo AM e Excelsior FM), que alimentava dois radiojornais. Continue lendo “O assalto ao Banco Itaú”