A briga lennonistas x macartnistas? Tô fora

O disco novo de Madeleine Peryroux, Standing on the Rooftop, de 2011, abre com uma música dos Beatles. A moça (e põe moça nisso: ela nasceu em 1973, três anos depois da separação do grupo) escolheu para abrir seu novo disco “Martha, My Dear”, assinada por Lennon-McCartney. Continue lendo “A briga lennonistas x macartnistas? Tô fora”

Mr. Bojangles, dance!

Existem apenas duas música que não de autoria de Bob Dylan que ele e Nina Simone gravaram. Só por isso – o fato de que esta exata música tenha sido uma das única gravadas tanto pelo mais extraordinário compositor quanto pela mais extraordinária cantora do século XX – torna “Mr. Bojangles” uma canção absolutamente especial. Continue lendo “Mr. Bojangles, dance!”

Uma foto para a História

Achava que não tinha nada a dizer sobre esta maravilhosa revolução do Egito, nada pessoal a acrescentar a tudo que está sendo dito nestes últimos 20 gloriosos, históricos dias. Não tenho mesmo, não – mas, ao ver a foto feita por Khalil Hamra na Praça Tahrir, no centro do Cairo, ontem, sábado, 12 de fevereiro, me ocorreu que simplesmente não dá para este site não ter uma linha sobre esses acontecimentos. Continue lendo “Uma foto para a História”

Vem cá, quem toca a flauta em “London, London”?

– Vem cá, você se lembra da gravação do Caetano de “London, London”, aquela de 1971? Você tem ela? Então ouça, ouça a flauta, que coisa espetacular. Quem é que toca a flauta, você sabe? Depois me liga pra me agradecer pela lembrança. Continue lendo “Vem cá, quem toca a flauta em “London, London”?”

Das prisões do czar imperial às prisões do czar comunista

O título, Sashenka, não chega a ser especialmente atraente, a não ser talvez para pessoas, como eu, fascinadas por tudo que tenha a ver com a Rússia. O autor, Simon Montefiore, não é conhecido, ou, no mínimo, não é famoso. Continue lendo “Das prisões do czar imperial às prisões do czar comunista”