Arquivos do Rótulo: Da agenda do vô

Se há uma coisa que Marina não é…

Nestes dias às vésperas da quinta festa de Natal na vida de Marina, me ocorreu que minha neta, que merece um número tão grande de bons adjetivos – fofa, doce, suave, gostosa, amável, carinhosa, atenciosa –, não faz jus a “surpreendente”. Ler Mais »

Marina gatinha

Era uma gatinha, e a Cau era a dona do petshop em que ela estava, e Mary e eu íamos lá para comprá-la. Ler Mais »

Marina dançadeira

O teatro estava absolutamente lotado para a apresentação das 20 crianças entre 4 e 5 anos que fazem dança na escola. Verdade que é um teatro pequeno, o Centro da Terra, na Rua Piracuama, em Perdizes, mas o fato é que a primeira apresentação de Marina num palco de verdade foi diante de casa cheia. Ler Mais »

Marina crescendo depressa demais

Depois das 22h30 e de ter visto dois desenhos na TV, sentadinha na poltrona do avô, em um domingo cheio, sem soneca perto da hora do almoço, Marina disse para o pai e a mãe que estava cansada. E daí a pouco que estava com sono. Ler Mais »

Marina e a Emília

Marina se apaixonou por Emília. Ler Mais »

Marina e a música

Marina começou a ver o show dos Barbatuques absolutamente mesmerizada. É assim mesmo que ela fica diante de um desenho animado ou de show de música de que gosta, seja ao vivo, seja diante da TV: absolutamente mesmerizada. Marina tem uma capacidade de concentração que me impressiona desde sempre, e, quando ela está diante de algo que conhece, é de fato fantástico: ela abre aqueles olhões, fixa o que está vendo e nem sequer pisca. Ler Mais »

Marina em modo declaratório

Marina está perguntando de vcs!”, mensageou minha filha, na hora do almoço. Ler Mais »

Marina e o Elmo

No final de semana do Dia dos Pais, em um hotel fazenda perto de São Paulo com o pai, a mãe, o avô e a avó, Marina perdeu o Elmo, o mais antigo e mais querido de todos os seus muitos amiguinhos de pelúcia, plástico, pano ou tudo o mais. Ler Mais »

Marina e a primeira escova

Sentadinha na sua cadeira no nosso carro, voltando do salão onde tinha lavado e cortado e feito escova, Marina, aos 4 anos e quase 4 meses, passava a mão no cabelo, e uma hora lá, quando chegávamos perto da Avenida Antártica, falou: – “Meu cabelo tá tão macio!…” Ler Mais »

Marina e “Blackbird”

No dia em que fez 4 anos e 1 mês, o sábado de Aleluia, Marina ouviu três vezes em seguida Paul McCartney cantar “Blackbird”. Concentrada, focada. Acho que não seria exagero se eu usasse o adjetivo mesmerizada. Ler Mais »

Marina e as cartinhas

Marina queria brincar de cartinha, quando fomos vê-la na terça, 28.  Ler Mais »

Nem mesmo nos wildest dreams

Este site se chama 50 Anos de Textos. Existe para publicar textos. Mas, perdão – este post aqui não tem texto, não.  Ler Mais »

Marina e as coincidências

Uma dia destes, Marina desceu com uma das amiguinhas bonecas para ver a mãe fazendo ginástica com a Débora, a simpática personal da Mary e há algumas poucas semanas também da Fê. Ler Mais »

Que maravilha Marina existir

Enquanto montava, na noite de sábado, o álbum número 3 de Marina no cadeirão, com Mary aqui ao lado, música, uísque e cerveja rolando, dei uma viajadinha até a lua e quase não voltei. Visitei histórias antigas e acho que cheguei perto da sétima morada da felicidade. Ler Mais »

Marina e a Fortuna

Aos 3 anos e 10 meses, Marina demonstra com absoluta clareza como gosta de ver show de música. Não dança, não canta junto. Presta absoluta atenção, séria; concentra-se totalmente no que está diante dela. Fica mesmerizada. Ler Mais »