Dois no temporal

Na noite anterior à minha volta da simpática cidadezinha de Mocajuba para a ilha na foz do Rio Amazonas, onde ainda permaneço em retiro, desabou imenso temporal sobre o lugar, localizado numa poupada curva do Tocantins. Continue lendo “Dois no temporal”

Dois em um

A atual disputa eleitoral, que não me interessa nem um pouco, me traz à lembrança fatos remotos e personagens temporariamente esquecidos. Aqueles dois caipiras, por exemplo. Continue lendo “Dois em um”

Nós conversávamos

Nos primeiros dias de abril de 1991, terminada a Guerra no Golfo Pérsico, imaginei que a convivência forçada com os massacres que desabavam – quase instantaneamente – da crueza dos jornais televisivos para o aconchego de minha sala diminuiria um pouco. Ao menos um pouco. Continue lendo “Nós conversávamos”

Exu menino

Guardo até hoje as anotações que fazia, diariamente, em uma agenda, dos gastos que fiz quando construí minha casa. Foi quase um ano de compras que nunca acabavam. Cimento, areia, brita, tijolo, esse o meu vocabulário básico no início de 1980. Continue lendo “Exu menino”

Cai o pano

Certamente, para mim, a cortina já havia se fechado há muito tempo, mas confesso que senti funda nostalgia, há dias, ao ler nos jornais que o lendário Cine Ipiranga, na avenida do mesmo nome, quase esquina da São João, na Capital, fechou. Continue lendo “Cai o pano”

Sabedoria precoce

O pai torce pelo galo, o avô pelo coelho e ela sabe do time do Brasil. Ela diz que é do galo. Escolheu ter uma camisa cor de rosa muito antes que o clube adotasse, para um de seus uniformes, essa cor. Continue lendo “Sabedoria precoce”

Liberdade

Um belo rosto de mulher, com um cartaz nas mãos. Juliette Binoche chora, lágrimas rolam por sua face de atriz. Mas ela não está representando nenhum papel cinematográfico. Seu choro é real, vivo e de protesto pela prisão, nos porões do governo do Irã, do cineasta Jafar Panahi. Continue lendo “Liberdade”