E brilhavam as estrelas

Faz poucos dias fiz rápida viagem à ilha na foz do rio Amazonas onde mantenho um franciscano tugúrio. Fui apenas acariciar as paredes da casinha, beijar os seculares troncos da floresta, pilastras da catedral do verde, e juntar folhas secas no chão para esfregar em minha pobre cabeça na esperança de que restos de seiva me alcançassem a alma. Continue lendo “E brilhavam as estrelas”

Um lugar para as flores

Silvie, uma querida amiga francesa, possui bela casa em Saint-Pierre-Sur-Mer, na Riviera. À frente da vivenda que se debruça sobre águas de azul profundo, há um lindo muro de pedras no qual vivem viçosos tufos de primaveras (buganvílias) de muitas cores, além de outras plantinhas cobertas de botões brancos, vermelhos, alaranjados. Continue lendo “Um lugar para as flores”

Na Avenida da Liberdade

A página está em branco mas eu já não estou. Escrevi, sem saber que estava escrevendo, uma vida. Ainda bem que não cheguei no ponto final, que espero esteja longe. Há um piano tocando ao fundo, mas o som é aquele pasteurizado, próprio do ambiente dos hotéis. Existem pessoas e mesas calmas ao meu redor. Tento seguir o conselho de minha amiga e manter a mente livre. Há um oceano me afastando fisicamente do Brasil (a alma viaja viaja longe) e eu não vou gastar esse meu tempo disponível me preocupando com o ódio que o atual Ministério da Cultura tem pela música brasileira e seus compositores. Continue lendo “Na Avenida da Liberdade”