A loucura não é normal

A canção “Paciência”, de Lenine, explica bem o momento em que vivemos. O Brasil não tem tempo a perder, mas Bolsonaro finge que é normal um presidente atentar contra a harmonia entre os três poderes ao divulgar em seu twitter mensagem com ataques ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal. Não satisfeito, repetiu a dose três dias depois, culpando a classe política pelos males do Brasil. Continue lendo “A loucura não é normal”

As bombas atómicas de Palomares

É que nem Deus aceitava. Francisco lembra-se. Humilde e cristão, chegou-se a Nosso Senhor com um prato de vermelhíssimos camarões de Palomares: “Aceita Senhor, Bom Deus!” E logo o poliglota patriarca das barbas, com um vozeirão que tomara Pavarotti, declinou: “Pues, Paco, hijo mio, no gracias, que te hagan buen provecho.” Continue lendo “As bombas atómicas de Palomares”

Chutando paus e barracas

Não é coincidência, muito menos caso impensado. Na mesma semana em que o filho Flávio se enroscou ainda mais nas investigações que apuram movimentações suspeitas em dinheiro vivo dos tempos em que o 01 era deputado estadual, o pai presidente eleva o tom de ódio e recrudesce as relações com o Parlamento, ao qual diz não pretender se “sucumbir”. Continue lendo “Chutando paus e barracas”

Meia-volta volver?

Vozes respeitáveis pregam a saída dos militares do governo. Em artigo, o sociólogo Demétrio Magnoli rememora batalhas épicas, nas quais a vitória veio depois do recuo tático, para aconselhar nossos militares a se retirar do governo “antes que seja tarde”. Continue lendo “Meia-volta volver?”

Apologia da fake-news

Todo o santo ser humano gosta de mentir. A mentira é a verdadeira medida da nossa santidade. Ao mais acabado campeão da verdade sempre diremos, transforme-se o meu amigo num veículo automóvel e meta a verdade no porta-bagagens. Continue lendo “Apologia da fake-news”

Governo em autocombustão

Em um texto publicado no Twitter na última quinta-feira, o vereador Carlos Bolsonaro convoca a população para, “respeitosamente”, acordar. Com seu usual português ruim, o filho 02 alerta: “As coisas estão todas invertidas e muitos ainda não percebem! O problema não é de governo, é de nação! Mesmo que me custe algo maior, não me preocupa meu futuro político, mas com o que muitos estão caindo e o amanhã livre pode não existir.” No dia seguinte, não menos enigmático, o pai presidente diz que poderá enfrentar um tsunami nesta semana. Continue lendo “Governo em autocombustão”

O presente do capitão para o Dia das Mães

O capitão Bolsonaro dorme com uma arma na cabeceira de sua cama. Em qualquer cama onde ele durma, até na do Palácio da Alvorada. Foi o que ele disse. Do que será que ele tem medo? De aloprados que sonham em assaltar o palácio ou de inimigos cujo maior desejo é derrubar seu governo? Continue lendo “O presente do capitão para o Dia das Mães”

Os militares contra-atacam

Na noite de 3 de abril de 2018 o Brasil vivia momentos de grande tensão. O  Supremo Tribunal Federal poderia soltar Lula no dia seguinte, caso aceitasse um habeas corpus impetrado por sua defesa. Sentindo o pulso dos quartéis, o então comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, resolveu se antecipar com  uma contundente declaração: “Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar os anseios de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e a democracia, bem como se mantém atento às suas missões constitucionais”. Continue lendo “Os militares contra-atacam”

A coisa em si

A imaginação humana é esfomeada e vai com toda a sede ao pote. Não lhe chega o feijão com arroz da realidade. Ponham-se os olhos em Jean-Baptiste Botul. Ninguém sabe nada dos seus 51 anos de vida, de 1896 a 1947. Ora, nem todo o ouro do Banco de Portugal pagaria a riqueza da sua existência. Continue lendo “A coisa em si”

O presidente ficou nu

Pouco importa se o presidente Jair Bolsonaro desistiu de ir a Nova York receber o título de “Pessoa do Ano” conferido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos (Brazilcham). Na verdade, a honraria pode ficar bonita no peito do capitão, como ficou nos dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Bill Clinton, mas nada significa para o país. Continue lendo “O presidente ficou nu”

Um gigante chamado Leonardo

Leonardo da Vinci nasceu numa pequena aldeia perto de Florença em 15 de abril de 1452. Seu pai era um tabelião e sua mãe uma aldeã de família muito modesta. O pai não quis registrar o menino que por isso recebeu apenas o nome da mãe e foi registrado como Leonardo di San Piero da Vinci. Continue lendo “Um gigante chamado Leonardo”

A Blitzkrieg dos ideológicos

Os tanques da ala ideológica do governo Bolsonaro avançam em todas as áreas a uma velocidade que faria inveja às divisões panzer do general Heinz Guderian. O movimento de pinça é comandado diretamente pelo presidente ou por seus filhos interpostos. Continue lendo “A Blitzkrieg dos ideológicos”