O grande satã

Desde o escândalo do mensalão, habilmente transformado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em caixa 2, e, pouco depois, em uma trama das elites preconceituosas, o script adotado pelo lulo-petismo para livrar-se dos crimes que comete é sempre igual. Continue lendo “O grande satã”

O eixo perdido

Se há divergências entre os geofísicos quanto aos níveis de deslocamento do eixo terrestre, tema que ganhou repercussão depois dos terremotos do Haiti e do Chile, difícil é ter dúvidas quanto à movimentação do eixo que deveria balizar a política. Continue lendo “O eixo perdido”

Essa mania de lei

A quebra do sigilo fiscal de pessoas ligadas ao PSDB, inclusive da filha do candidato presidencial da oposição, provocou um frisson nacional naquela franja minúscula da opinião pública onde as chamadas garantias constitucionais e as instituições democráticas têm algum significado. Continue lendo “Essa mania de lei”

A banda podre

Quando um presidente da República trata a quebra de sigilo fiscal do adversário como “futrica”, e sua candidata, líder absoluta nas pesquisas eleitorais, define esse crime como um simples “malfeito”, algo vai mal, muitíssimo mal. Continue lendo “A banda podre”

Viva Zapatero

Um documentário italiano de uma hora e meia distraidamente captado numa sonolenta sessão das 10 do Telecine Cult se transformou, para minha surpresa, numa verdadeira, avassaladora e magistral aula de ciência política contemporânea que ninguém deveria perder. Continue lendo “Viva Zapatero”

Tolerância zero

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre gostou de conferir rótulos para popularizar os seus prediletos. Foi assim com o então ministro da Casa Civil José Dirceu, a quem atribuía a função de técnico insubstituível do time, até rifá-lo na conta dos escândalos dos Correios e do mensalão. Continue lendo “Tolerância zero”

Brincando de casinha

“Querem infantilizar os brasileiros com essa história de pai e mãe”. Essa foi a frase politicamente mais significativa e importante que a candidata Marina Silva pronunciou em toda a campanha eleitoral. Mais importante que todas as suas quilométricas panacéias sobre sustentabilidade. Continue lendo “Brincando de casinha”

O show do bilhão

Caríssima, não raro maçante, mas considerada por 11 entre 10 analistas como essencial para a decisão do eleitor, a propaganda eleitoral de rádio e TV, que começa na terça-feira e se estende por 45 dias, repetirá a fórmula ultrapassada e mal-engendrada que, há anos, alimenta vícios danosos ao país. Continue lendo “O show do bilhão”

Mais do mesmo

Até o próximo debate, e há pelo menos outros quatro ou cinco planejados, muito ainda vai se falar sobre o primeiro embate televisivo da campanha de 2010. Da estréia meio trôpega, mas sem maiores tropeços de Dilma Rousseff, à confirmação do carisma quase zero do candidato José Serra, pouco ou quase nada deverá ficar na memória do eleitor. Continue lendo “Mais do mesmo”

Abre as asas sobre nós

Deve-se, então, limitar a liberdade do indivíduo para que ele não se torne nocivo aos demais.
(
John Stuart Mill, “A liberdade”)

O humorista está proibido de satirizar os políticos; os pais estão proibidos de dar palmadas nos filhos; os torcedores de futebol estão proibidos de brigar a menos de 5 km dos estádios; os políticos de ficha suja estão proibidos de se candidatar a cargos eletivos; as pessoas estão proibidas de fumar em recintos públicos; não se pode beber e dirigir. Continue lendo “Abre as asas sobre nós”

As lágrimas de Lula

O poder é uma droga forte, vicia, causa dependência. Isso é sabido. Portanto, nada mais natural do que a melancolia de um presidente quando o mandato, e ainda por cima de oito anos, se aproxima do fim. Cabe tudo. Reclamações, desconfortos, muxoxos, engasgos e até lágrimas. Continue lendo “As lágrimas de Lula”