Um verdadeiro retrocesso

As campanhas políticas, especialmente no Brasil, são ricas em distorções semânticas e em abusos de retórica. Os candidatos – alguns mais do que outros, é bom que se diga – atribuem aos adversários intenções que eles nunca tiveram, crenças que nunca defenderam e ações que nunca realizaram. Continue lendo “Um verdadeiro retrocesso”

Cheiro azedo

Dezenas de mentiras repetidas como verdade, porções desmedidas de agressão ao adversário, intimidação, coerção e patrulhamento permanente, críticas à liberdade de imprensa. Misture os ingredientes, adicione alianças com ex-arquiinimigos, desrespeito às leis e pressão permanente, sem qualquer chance de respiro. Continue lendo “Cheiro azedo”

Um papelão

Luiz Inácio Lula da Silva em breve será uma carta fora do baralho. É gastar muita cera com pouco defunto ficar falando em seu comportamento nada condizente com o cargo que ocupa só até 31 de dezembro. Continue lendo “Um papelão”

O eleitor é sábio

Em 1976 quase fui vice-prefeito de Americana – bons tempos que me vieram à memória agora nesta reta final de campanha. Nessa época, aprendi sobre política, campanhas, mas acho que principalmente aprendi a respeitar, de verdade, o eleitor. Continue lendo “O eleitor é sábio”

Síndrome de escorpião

Se no final de 2007 a derrota da CPMF no Senado – indício claro de que não conseguiria aprovar o desejado terceiro mandato – levou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a desenhar uma das mais ousadas estratégias eleitorais para permanecer no poder, a soberba lhe turvou os capítulos finais. E coloca em risco o epílogo e a glória. Continue lendo “Síndrome de escorpião”

Um presidente, não um santo

Rios de papel antes, para profetizar; rios de papel depois, para explicar. Os analistas queimaram as barbas que colocaram de molho, os institutos de pesquisa correram atrás do prejuízo e só faltou que um de seus donos escrevesse que, afinal, eleição é uma caixinha de surpresas, onde se pode ganhar, perder ou empatar. Continue lendo “Um presidente, não um santo”

Chávez e o poder eterno

Um pouco mais da metade da Venezuela mostrou, nas urnas, que é contra o projeto de socialismo do século XXI de Hugo Chávez. Mas o espaçoso e ambíguo arremedo do clássico tiranete latino-americano mostrou que o estoque de truques da sua cartola ainda não se esgotou. Ele guarda mais coelhos lá dentro. Continue lendo “Chávez e o poder eterno”

O juiz da imprensa

Lula sabe melhor do que ninguém o quanto de sua mística ele deve à imprensa. Um dos primeiros grandes perfis do herói, talvez um dos mais importantes, sobre o operário pragmático que dirigia um movimento sindical sem se atrelar aos interesses do Partido Comunista (coisa rara na época) foi escrito por Ruy Mesquita – insuspeito de progressismo – na revista Homem Vogue, um ícone da imprensa cult no final dos anos 70. Continue lendo “O juiz da imprensa”

O grande satã

Desde o escândalo do mensalão, habilmente transformado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em caixa 2, e, pouco depois, em uma trama das elites preconceituosas, o script adotado pelo lulo-petismo para livrar-se dos crimes que comete é sempre igual. Continue lendo “O grande satã”