João Gilberto é a perfeição

Nove meses de gestação, e o disco ainda não chegou às lojas. Muito mistério, repertório guardado em segredo até poucos dias atrás, todos os estranhos proibidos de entrar no estúdio de gravação. Primeira apresentação pública através de uma rádio do Interior, de Aparecida, escolhida não se sabe exatamente por que motivos. A fita máster com as vozes indo para os Estados Unidos, para receber o acompanhamento. Na volta, o Artista, descontente, mexe no resultado, remixa várias vezes algumas faixas. Continue lendo “João Gilberto é a perfeição”

Joan Baez Volume 2: a ditadura põe o Brasil em seletíssima companhia

Três países impediram que a voz de Joan Baez fosse ouvida, durante sua carreira que já tem 23 anos e diversas viagens por vários continentes: a União Soviética, a Argentina e o Brasil. Continue lendo “Joan Baez Volume 2: a ditadura põe o Brasil em seletíssima companhia”

Dylan Volume 1 – O artista que é três, cinco, vários, alguns milhões

“Bob Dylan reescreveu a gramática do rock assim como James Joyce reescreveu as regras do romance. Ele é o único autor de rock a quem o termo poeta pode ser rigorosamente aplicado. É o maior e mais invulgar talento da música rock. O que os Beatles fizeram, em conjunto, pelo rock, ele fez sozinho.” (Jeremy Pascall, em The Illustrated History of Rock Music, Londres, 1977.) Continue lendo “Dylan Volume 1 – O artista que é três, cinco, vários, alguns milhões”

O disco em que Caetano inventou outras palavras

Em entrevistas que deu entre a gravação (dezembro de 1980) e o lançamento (março de 1981) de Outras Palavras, seu 12º LP solo, Caetano Veloso fez algumas constatações sobre este seu mais recente trabalho. Constatações que mostram, em suma, que o autor não ficou completamente contente com a sua obra – ou, pelo menos, que o autor não executou a sua obra da maneira como gostaria de a ter executado. Continue lendo “O disco em que Caetano inventou outras palavras”

Fernando Falcão, um nome que devia ser gravado

Seguramente é mínimo o número de pessoas que já ouviram sequer falar de Fernando Falcão, o artista que se apresenta; a partir de hoje e até o próximo dia 5 (este texto é de abril de 1981), na Sala Guiomar Novaes. Continue lendo “Fernando Falcão, um nome que devia ser gravado”

Os tempos em que o grande Baden tropeçava na voz

O violonista Baden Powell, todos sabem, é um dos maiores (se não o maior) do País. É tido por muita gente boa como um dos melhores de todo o mundo. É respeitado e aplaudido aqui, e também na França, na Alemanha, na Itália. Pois, Baden Powell resolveu cantar. E o violonista genial é um péssimo cantor. Continue lendo “Os tempos em que o grande Baden tropeçava na voz”

Quando Milton lotou o Ibirapuera para lançar Sentinela

Nas arquibancadas, nas cadeiras numeradas e nas cadeiras da pista do ginásio do Ibirapuera, a imensa maioria das cerca de 12 mil pessoas cantava, acompanhava o ritmo da música com palmas, os braços estendidos para cima. No palco, havia uma festa de amigos. Continue lendo “Quando Milton lotou o Ibirapuera para lançar Sentinela”

Os belos versos de Chico Buarque encontram seu melhor cantor: Chico Buarque

Vida, o 14º LP de Chico Buarque de Hollanda em 16 anos de carreira, pode dar a impressão de velho. E também de ter sido elaborado e gravado apressada e desleixadamente. Continue lendo “Os belos versos de Chico Buarque encontram seu melhor cantor: Chico Buarque”

Como afundou o navio que nem Deus podia afundar

O marinheiro não teve dúvidas. Quando aquela mulher – a senhora Alberta Cadwell, passageira da primeira classe, que acabara de embarcar no Titanic no porto inglês de Southamptom – perguntou se era verdade que o navio não podia mesmo afundar, ele respondeu:

– Minha senhora, nem Deus poderia afundar esse navio. Continue lendo “Como afundou o navio que nem Deus podia afundar”

Michelangelo

Quase aos gritos, eles discutem:

– Vocês, escultores, trabalham com os músculos, com a força do braço, com o suor imundo.

– Você, que diz que a pintura é mais nobre que a escultura, não sabe nada, não entende nada.

Os dois homens estão em uma das ruas de Florença, falando alto, gestos exaltados, insultos. O primeiro retruca: Continue lendo “Michelangelo”

O sucesso meteórico do Secos e Molhados

Não foi um sucesso qualquer. Foi um sucesso como nunca antes se vira, rápido, incrivelmente rápido, fulminante. Quanto é que seria possível imaginar, mesmo usando muita imaginação, que um conjunto há até pouco tempo desconhecido conseguiria bater o imbatível Roberto Carlos, até mesmo no mês de dezembro, o mês do lançamento anual do disco do então senhor e rei? Continue lendo “O sucesso meteórico do Secos e Molhados”