Arquivos da Categoria: Mary Zaidan

Troça, chacota, deboche

Goste-se ou não delas, leis balizam a organização da coletividade, garantem direitos e deveres, impõem punições. Têm de ser respeitadas e, por óbvio, cumpridas. Mas por aqui o descaso com as leis e até mesmo com a Constituição é generalizado, a começar por aqueles que por dever de ofício juram lealdade a elas. Ler Mais »

Sob o domínio da farsa

O horário eleitoral obrigatório de rádio e TV começa na próxima sexta-feira, abrindo a etapa decisiva de uma eleição em que a farsa domina. Candidaturas falsas, burla de leis e mentiras deslavadas quanto ao financiamento das campanhas são exemplos da dimensão do embuste. Ler Mais »

Fogo nas urnas

Tornar-se presidente da República ou melar as eleições. A tática de Lula de jogar mais gasolina na crise sem precedentes que arde no país tem um aliado na outra extremidade. Tanto o dono do PT quanto Jair Bolsonaro não têm qualquer disposição de aceitar o resultado das urnas caso sejam preteridos. Ler Mais »

Aborto e morte

As audiências públicas sobre a interrupção da gravidez promovidas pelo STF e a condenação da pena de morte, considerada inadmissível pelo Papa Francisco, jogam luzes sobre polêmicas que cedo ou tarde todas as sociedades, gostem ou não, têm de enfrentar. Ler Mais »

O nome é Rosa

Um dia antes da manifestação que o PT pretende vistosa para registrar Lula como candidato, a ministra Rosa Weber assumirá a chefia do TSE. Caberá a ela definir o rito de exclusão do primeiro condenado em segunda instância – e preso – a solicitar a inserção de seu nome entre os postulantes à Presidência da República. Ler Mais »

O novo será cumprir a lei

Ao contrário do dito popular do futebol, política não é uma caixinha de surpresas. Quanto mais por aqui, onde as regras são definidas pelos próprios jogadores que querem continuar em campo. Perdeu quem apostava em alguma novidade nas alianças agora anunciadas, que, após ameaças de vindas e idas, recolocam os competidores nas suas raias habituais. Ler Mais »

Lula não é o Brasil

No início de setembro de 2014, o então governador do Distrito Federal, Agnelo Queiróz (PT), candidato à reeleição, comemorou. Seu maior adversário, o também ex José Roberto Arruda (PR), líder absoluto nas pesquisas, com 37%, estava fora do páreo. Ler Mais »

Crime em nome de Deus

Ler Mais »

Os donos da bola

Derrotada pela França, a Argentina exige a realização de um novo jogo para tentar vencer. E, enquanto a nova partida não é marcada, se comporta como campeã da Copa. Ler Mais »

O nome do jogo

Com o dono do time na cadeia e sem qualquer notícia boa para incentivar a torcida, o PT comemorou como gol de placa a absolvição da presidente do partido, Gleisi Hoffmann, e de seu marido, Paulo Bernardo, ex-ministro de Lula e Dilma Rousseff, das acusações de corrupção.

Ler Mais »

Biruta de vento

Candidato à Presidência da República pela terceira vez, Ciro Gomes está convencido de que pode adular o capital, avançar no Sudeste e ser ungido pelos sem-Lula. Quer marchar ao lado do PSB e do DEM, do PT e do MDB. Tem insistido ainda que o segundo turno será disputado entre ele e o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, ambos suando muito para tentar chegar aos dois dígitos nas pesquisas. Ler Mais »

É tudo fake

Mentir em campanhas – e fora delas – é algo habitual no mundo político. Notícias falsas sempre existiram, só não eram difundidas com velocidade tão galopante quanto à patrocinada pelas redes sociais e muito menos tratadas como “fake”, palavrinha inglesa que conferiu certo charme à profusão de invencionices. Ler Mais »

Cegueira extrema

Rearranjar a História de acordo com suas conveniências é pratica que une extremistas, sejam eles de direita ou esquerda. Quando contrariados pelos fatos, viram bichos e se defendem de modo idêntico: usam os fins para justificar os meios, ainda que os métodos incluam torturar e matar. Com aval ou a mando do Estado. Ler Mais »

Escárnio

O TSE confirmou, na última quinta-feira, que os R$ 888,7 milhões do Fundo Partidário poderão ser utilizados na campanha de 2018, somando-se aos R$ 1,7 bilhão do fundo eleitoral, aprovado ano passado pelo Congresso. Mais de R$ 2,5 bilhões de dinheiro público, nomenclatura absurda para impostos, taxas e contribuições involuntárias pagas pelos brasileiros. (Os encargos são tantos que mereceram um verbete próprio na Wikipédia: Lista de Tributos do Brasil.) Ler Mais »

O Brasil refém do STF

Em 2008, sem conseguir avançar na idéia da trieleição, Lula, hoje preso por corrupção e lavagem de dinheiro, inventou Dilma Rousseff e, com ela, um tormento sem fim. A presidente deposta foi um pesadelo para o país – e para seu padrinho – durante os cinco anos e meio de mandato. E continua a distribuir estragos. Ler Mais »