A falência múltipla dos órgãos

Gosto muito do programa Painel, da Globo News, apresentado pelo jornalista William Waak. Sério, com bons convidados, temas sempre atuais e importantes, é um programa que ensina. Só dois reparos: o tempo é curto e o jornalista às vezes se entusiasma e fala mais que seus entrevistados… Continue lendo “A falência múltipla dos órgãos”

Eu só queria entender

Dizem que nas décadas de 20 e 30 do século passado a moral das classes altas e a da classe artística era muito elástica, ou melhor, era muito frouxa. As aparências enganavam, a hipocrisia campeava. O uso da droga era muito difundido, o álcool era livre, o adultério era quase obrigatório, os casamentos eram um contrato comercial e patrimonial, mais do que tudo. Continue lendo “Eu só queria entender”

Um homem de moral

Dr. Vanzolini foi uma figura especial. Além de se um cientista de renome internacional, a quem o Brasil deve muito sobretudo por suas pesquisas que dão importância ao Instituto Butantã, de São Paulo, era um grande compositor, autor de letras imortais, boêmio por natureza e grande amante da cidade de São Paulo. Continue lendo “Um homem de moral”

Lembranças

Em 16 de julho de 1950 eu estava com 12 anos. Completaria 13 em setembro. Tive uma sorte danada. Um amigo de papai, daqueles apaixonados por futebol, tinha ingressos para todos os jogos da Copa. Seu nome era Hercílio Mota. Continue lendo “Lembranças”

Invencionices

A Folha de S. Paulo de segunda, 8 de abril, traz um editorial que, ao contrário dos últimos textos desse jornal que já foi um dos melhores do Brasil, foi bom de ler. Parênteses: a crítica é à linha política que o jornal resolveu imprimir até nos noticiários. Gosto que um jornal diga a que vem, mas nas notícias ele tem que se ater ao que noticia. Não é o que anda sucedendo por lá. Continue lendo “Invencionices”

Navio perdendo a rota

Um poema

que não se entende

é digno de nota

a dignidade suprema

de um navio

perdendo a rota (Paulo Leminski)

Sempre achei uma tremenda tolice a tal da leitura dinâmica. Não dá, nem poderia dar certo porque a nossa língua não é das que se entregam com facilidade. Tem que ser cativada, seduzida, acarinhada, lida e relida, não pode ser vista assim de esguelha, da ponta esquerda da primeira linha até a ponta direita da última linha. Continue lendo “Navio perdendo a rota”