Arquivos da Categoria: Maria Helena RR de Sousa

Lula, o leitor

Ler Os Sertões não é para qualquer um, já sabemos. Saber que Lula se dedicou à leitura dessa obra até entusiasma, não é não? Como é natural, ele, neófito em literatura, sobretudo na leitura de livros de alta erudição como o livro do grande Euclides da Cunha, ficou meio atrapalhado. Ler Mais »

A Valsa

Do caso Harvey Weinstein, o célebre produtor americano que há 20 anos convida atrizes para irem ao seu apartamento em bons hotéis discutir sobre os filmes que elas querem estrelar e que, lá chegando, consegue, ou pelo menos tenta, violentá-las, surgiram não sei quantas acusações de abusos, alguns medonhos. Ler Mais »

Foi como abrir a janela e deixar entrar o ar fresco da manhã

Quando leio, aqui e em bons jornais de outros países, que Lula acabou com a pobreza no Brasil, fico perplexa. Como assim, acabou? Deixou de ser pobre um país onde não há creches ou escolas para todos, nem saneamento básico ou água corrente em todos os municípios, ou atendimento hospitalar para seus cidadãos? Pode deixar de ser considerado pobre um país onde encontrar pessoas dormindo nas ruas nem chama mais a atenção? Ler Mais »

Dirceu, Gambetta e Lula

No meu tempo de colégio – é isso mesmo, leitor, e pode dizer: ”mas isso foi há muuuuito tempo” –, o ensino de História era levado a sério. Dizem que nós éramos obrigados a decorar datas e outros detalhes sem muita importância, do que discordo veementemente. As datas nos ajudavam a situar os personagens históricos em seu tempo, o que é muito útil, digam o que quiserem.  Ler Mais »

Vou contar uma história

Vocês conhecem instituições mais fortes no Brasil de hoje do que as célebres Redes Sociais e o terrível Politicamente Correto? Sem esquecer, naturalmente, do poder dos indigitados ‘selfies’… Ler Mais »

Mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa…

Não há como negar a vergonha que se abateu sobre os eleitores fluminenses, em especial os cariocas. É só verificar a lista dos presos recentes e ver os nomes que lá estão. Nós, cidadãos comuns, estamos aborrecidos e envergonhados. Ler Mais »

Quem sabe essa á a nossa chance?

Em 11 de julho de 2008 assinei aqui neste Blog um artigo sobre o Rio que, entre outras coisas, dizia o seguinte:

“Só não vê quem não quer: ruas sujas, esgoto a céu aberto, um cheiro de urina entranhado até nas esquinas do centro financeiro da cidade, que dirá em bairros afastados. Ler Mais »

Liberdade, sempre. Mas sem limites?

Nós, os da minha geração, somos peças de museu em relação à Internet. Ao contrário dos adolescentes de hoje que já nasceram num mundo digital, nós fomos acompanhando o surgimento de novidades tecnológicas e tendo que aprender a lidar com elas. Ler Mais »

Vitor Gabriel

Escrevo neste Dia dos Mortos de 2017, para ser publicada no Blog do Noblat de amanhã, 3 de novembro. E o faço profundamente triste. Ler Mais »

O Brasil piora a passos largos

No excelente filme Getúlio, de 2014, no qual Tony Ramos dá um show de interpretação, há uma cena que muito me impressionou. Ler Mais »

Haverá quem possa desmafagafizar nosso ninho de mafagafos?

O Brasil enfrenta um momento curioso. Finalmente conseguimos empatar o maior trava-língua da língua portuguesa à nossa vida diária: ‘num ninho de mafagafos, seis mafagafinhos há; quem os desmafagafizar, bom desmafagafizador será”. Ler Mais »

“A ausência de limites é inimiga da Arte”, como disse Orson Welles

“Minha afirmação como artista explica que meu trabalho é totalmente incompreensível e, portanto, cheio de significados!”, escreveu  Bill Watterson, criador da genial tirinha “Calvin e Hobbes”. Ler Mais »

Medo

O Brasil deu errado, é a sensação que eu tenho. Às vezes penso se não seria melhor fechar tudo e recomeçar… Sei que esse pensamento é tosco, mas olhe em volta e veja se não concorda comigo. Ler Mais »

Mudanças assustadoras

It is more from carelessness about truth than from intentionally lying that there is so much falsehood in the world.
                                                                                 Samuel Johnson

Ler Mais »

Rodrigo Janot

“Há uma maré nos assuntos humanos
Que tomada na cheia, traz fortuna;
Se perdida, a viagem dessa vida
Será só de baixios e misérias.

(William Shakespeare,  in Júlio César, Ato 4 cena 3, tradução de Barbara Heliodora).

Ler Mais »