Sem estante de livros atrás não há entrevista

Não posso imaginar por que a GloboNews me ligaria pedindo entrevista. Quem sabe pela cobertura que fiz (ao lado de uma penca de coleguinhas) da visita de um presidente da República brasileiro e militar a Portugal, o general Garrastazu Médici. Afinal, é data redonda. Faz 50 anos. Meio século! Continue lendo “Sem estante de livros atrás não há entrevista”

Digitax uma ova!

Por duas vezes em menos de um mês o presidente Jair Bolsonaro detonou as ideias de sua equipe econômica para atendê-lo na criação de um substituto mais generoso para o Bolsa Família, batizado de Renda Brasil. “Não posso tirar dos pobres para dar para os paupérrimos”, esbravejou, indignado. Na mesma semana em que reprisou a frase de efeito, avalizou a reencarnação da CPMF, ressuscitada como Digitax. Optou por tirar também dos paupérrimos para perenizar o dinheiro na veia que inflou sua popularidade. Continue lendo “Digitax uma ova!”

“Vossa Rinocerôncia perdeu um tempo precioso”

Na ânsia de encontrar provas do racismo em Monteiro Lobato e varrer das prateleiras de nossas crianças esse escritor perigosíssimo que fez gerações e gerações aprenderem a gostar de ler e pensar, os que não têm mais nada a fazer no MEC se esqueceram do segundo capítulo de Caçadas de Pedrinho: “Um Rinoceronte Interna-se Nas Matas Brasileiras”.

Continue lendo ““Vossa Rinocerôncia perdeu um tempo precioso””

O governo Bolsonaro é o nadir

Um discurso que era para ser do presidente da República Federativa do Brasil na abertura da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas. A palavra do chefe de governo de um dos maiores dos 193 países representados ali – seja em termos de Produto Interno Bruto, de tamanho do território, de número de habitantes. Continue lendo “O governo Bolsonaro é o nadir”

Caia na real, presidente!

Pela segunda vez o presidente desperdiçou uma oportunidade de ouro para retirar o Brasil da condição de pária no cenário internacional, ao discursar na abertura da Assembleia da ONU. Se no ano passado Jair Bolsonaro proferiu suas palavras com faca nos dentes e sangue nos olhos, este ano adotou um tom alguns decibéis mais abaixo. Continue lendo “Caia na real, presidente!”

Primavera!

A primavera chegou nesta terça-feira, dia 22, no Hemisfério Sul. Não houve explosão de flores, pássaros cantando, borboletas esvoaçantes, a natureza em festa, porque isso só acontece em desenho animado. Continue lendo “Primavera!”

Covardia

Quem poderia dizer que o adjetivo covarde definiria o presidente Jair Bolsonaro, aquele que sempre posou de machão. Nos palanques ele desdenha dos mais de 135 mil mortos pela Covid-19 e dos brasileiros que seguem as regras sanitárias – “ficar em casa é conversinha mole para fracos”. É o atleta que desafiou a pandemia, o valentão que não tem papas na língua. Mas no Planalto é um presidente relutante e medroso, atormentado por invencionices conspiratórias, sem qualquer preparo ou gosto pela governança, para a qual ele e o seu time são os maiores impedimentos. Continue lendo “Covardia”

Longas histórias da cabeça de Marina

Já faz algumas semanas que as brincadeiras de Marina conosco, sua vontade de criar histórias para nos contar, já não cabem mais nas telenetadas de 1 hora e meia por dia, de segunda sábado. Espalharam-se também em vídeos que ela faz e nos manda, depois que falamos o tchau de todos os dias. Continue lendo “Longas histórias da cabeça de Marina”

Espairecendo!

Depois de sete meses em casa, saindo só para o basicão mesmo, resolvi dar uma incerta para conferir se os integrantes do MSAP – Movimento dos Sem Apartamento na Praia – ainda não tinham invadido o meu. Continue lendo “Espairecendo!”

A diplomacia de Bolsonaro é contra o Brasil

Não há uma única área que tenha sido poupada pela onda de destruição, de envenenamento, de empesteamento que é a marca do bolsonarismo. Os esforços do presidente e seu grupo para não deixar de pé nada do que de positivo o Brasil conseguiu construir vão em todas, absolutamente todas as direções. Continue lendo “A diplomacia de Bolsonaro é contra o Brasil”

Ventos ruins e sopros de esperança

Uma década depois da instituição do Dia Mundial da Democracia, 15 de setembro de 2010, o mundo está submerso em uma recessão democrática, que pode se aprofundar nestes tempos de pandemia, como alertou manifesto assinado por 160 intelectuais da América Latina e ex-presidentes, entre os quais Fernando Henrique Cardoso, Tabaré Vázquez, José Mujica e Mauricio Macri. O marco temporal do recuo da democracia é 2006, quando aumentou o número de países de índole autoritária e de democracias de baixa qualidade. Continue lendo “Ventos ruins e sopros de esperança”

Fogaréu

Acho que tem a ver com muito tempo de confinamento, sob o noticiário da tevê e do celular, o fato de minha coerência estar indo para o espaço, junto com a lucidez e o senso crítico. Cheguei ao ponto de misturar realidade com o absurdo despejado por bárbaros nos meios de comunicação. Continue lendo “Fogaréu”