Prerrogativas seletivas

Leonardo Boff, ao apelar para que lhe fosse permitido visitar o ex-presidente Lula, declarou: “Eu que sou velho amigo de Lula vim em uma missão espiritual. Como uma lei divina pode ser negada por uma juíza terrena?”. Modesto o ex-frade, não é? Sua missão espiritual seria uma lei divina?

Lula desrespeitou as leis terrenas, as leis de seu país. Desrespeitou também as leis de Deus. Deve mesmo precisar receber consolo espiritual, o mesmo que todos precisamos ao passar por sofrimentos de qualquer natureza. Estou segura de que se ele disser ao guarda de sua cela que precisa se confessar, a Polícia Federal de Curitiba providenciará um padre para ouvi-lo. Um padre que reze missas na Catedral de Curitiba poderia ouvi-lo e lhe dar a comunhão, caso Lula pedisse após se confessar.

Boff, assim como senadores e deputados, acha que essa é uma prerrogativa dele, que não precisa passar pela Justiça, que é a guardiã de Lula. Quantas vezes Boff usou dessa prerrogativa para visitar e consolar presos em nossas prisões? Quantas vezes comissões de senadores e deputados fizeram inspeção nas prisões em seus estados? E quais foram as conclusões a que chegaram? E quais foram as medidas que tomaram para melhorar a situação dos encarcerados?

De repente, muitas pessoas acharam ser fundamental uma visita ao Lula. Por quê? Certeza não tenho, mas parece que estão usando o ex-presidente para se promover. O senador que falou em nome de seus pares ao encerrar a visita declarou que a cela estava em boas condições, que Lula estava bem, apenas solitário. Queriam que o juiz o enviasse para uma cela coletiva? Será que o Lula ia ficar mais sossegado, mais feliz, se dividisse uma cela com seus ex-companheiros de governo? Se for esse o caso, sugiro que ele aguarde uns dias, logo, logo José Dirceu irá para Curitiba e aí os dois vão poder trocar umas idéias. Quer dizer, se prevalecer a tese de que o Lula não quer ficar solitário.

Outra coisa, essa ainda mais curiosa: com que intuito Adolfo Perez Esquivel tentou visitar o Lula? O jornalista Ricardo Kotscho, em seu site Balaio de Gatos, criticou a decisão de não ser permitido ao Nobel argentino visitar Lula. Kotscho, jornalista sério que se expressa num português excelente, acha que esse gesto autoritário foi um vexame internacional e cobra do Itamaraty alguma providência. Fiquei decepcionada… Será que Kotscho não reconhece que existe ao menos uma possibilidade de estar enganado? Que Lula errou? Que jogou fora a oportunidade de fazer bem ao Brasil?

Querem porque querem convencer o mundo que Lula é um preso político. Francamente! Preso político condenado por tribunais com sessões transmitidas ao vivo? Preso político com processo correndo na Suprema Corte de seu país? Preso político com imprensa livre?

Sabem de uma coisa? Quem quiser que conte outra…

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, na Veja, em 20/4/2018. 

Um Comentário

  1. Celia Foresto
    Postado em 26/04/2018 às 8:16 pm | Permalink

    Excelente artigo! Realmente…”Quem quiser que conte outra”

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*