Perguntas que gostaria de ver respondidas

1) A TV Justiça ajuda ou prejudica o Brasil? É verdade que com a transmissão das sessões plenárias ficamos conhecendo como pensam e como votam os juízes da Suprema Corte. Mas de que nos vale esse conhecimento? A meu ver, não nos ajuda em nada. Pior, a câmara de TV despertou o talento artístico de quase todos os ministros. Há alguns que só falam para a platéia. Hollywood não sabe o que está perdendo…

2) Os ministros do STF podem se ausentar das sessões plenárias assim, sem mais aquela? Podem viajar para seus estados, ou para fora do país, sem ser no período de férias? Ontem, alguns ministros anteciparam seus votos e saíram antes do fim da sessão… Não fazem falta, mas dói ver que podem trabalhar só quando querem sem que seu salário sofra cortes. É a injustiça na Justiça.

3) Alguém sabe por que o ministro Gilmar Mendes despreza a Lava-Jato? Pelo menos foi o que ele deu a entender ao declarar que “o mensalão, este, sim, foi um marco no combate à corrupção”. Não é ao menos curioso, quando é a Lava Jato que está prendendo mais corruptos?

4) Montesquieu, o grande pensador autor de O Espírito das Leis, cunhou esta frase: “Em qualquer magistratura, é indispensável compensar a grandeza do poder pela brevidade da duração”. Essa lição é da maior importância: nenhum cargo político, advindo de eleição ou de nomeação, deveria durar mais do que uns quatro anos. O tempo dilatado acaba gerando uma intimidade que não dá bom ponto. Como disse um dia Janio Quadros, “Intimidade gera aborrecimentos ou filhos”… O Brasil foi beneficiado com a dilatação da permanência dos ministros do STF até os 75 anos? Não parece a você, leitor, que a garantia de um bom posto até essa idade provecta os deixa mais à vontade, menos preocupados em ser bons magistrados, já que se não o forem nada têm a perder?

5) O juiz Sergio Moro, em respeito à dignidade do cargo que Lula ocupou, deu-lhe uma acomodação de luxo em comparação com as demais celas. Lula não respeitou a dignidade do cargo, mas Moro o faz, o que é importante e educativo. Mas é preciso um limite. Água gelada já seria deboche. Esteira ergométrica, sinceramente, seria uma afronta aos outros presos, que também são seres humanos necessitados de exercício físico para a manutenção de sua saúde.

6) Quem sustenta o pessoal que está no acampamento em Curitiba? Podem ficar dias lá acampados, não têm trabalho, aulas, ou quaisquer obrigações? Estão em férias permanentes?

7) Você, leitor, gosta de citações? Eu gosto. Não me neguem o prazer de delas abusar. Churchill dizia que é bom ter livros de citações que, gravadas na memória, nos inspiram bons pensamentos. Pois é de Montesquieu também a frase que escolhi para encerrar este artigo: “A pomposidade é o escudo dos idiotas”.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, na Veja, em 12/4/2018. 

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*