Lula conduz o PT ao matadouro

A sorte do Partido dos Trabalhadores sempre esteve atrelada a Lula. Estabeleceu-se entre os dois uma relação de dependência, em que, erigido a semideus, o caudilho pensava e decidia por todos. Se no passado a lulo-dependência deu bons frutos, agora pode levar o PT ao isolamento político e eleitoral se for para valer a decisão de sua executiva de Lula ser o candidato “em qualquer circunstância”.

A prisão de Lula – e a possibilidade de ela se estender por um prazo longo – recomenda a revisão da estratégia petista. Mas o próprio caudilho tomou medidas acautelatórias para que isto não aconteça. Da cela, escalou sua dama de ferro, Gleisi Hoffman, como porta-voz e responsável pela articulação com outras forças políticas. O recado foi claro: qualquer negociação, interna e externa, tem de se dar em torno da candidatura de Lula. Fora disso, não há conversa.

Desde sua condenação em primeira instância, estabeleceu-se uma estratégia de mão única – ele ou ele -, vedando qualquer debate sobre um plano alternativo. Era pedra cantada, mas o ex insistiu no bordão “eleição sem Lula é fraude”, afastando aliados como o PSB e o PDT de Ciro Gomes.

O próprio Lula passou atestado do isolamento quando no circo de São Bernardo bradou que ali não estavam os engravatadinhos. De fato, de aliados apenas dois puxadinhos do PT: o PC do B de Manuela D’Avila e o PSOL de Guilherme Boulos.

Se Lula não é mais senhor do próprio destino, por que então está conduzindo o PT para o matadouro mesmo sabendo que o registro de sua candidatura será negado de ofício pela Justiça Eleitoral?

Possivelmente está mais interessado na sobrevivência da narrativa que construiu para a história do que no destino do partido. Não necessariamente os interesses de Lula e do PT são coincidentes.

A recusa em adotar o plano B é uma espada de Dâmocles na cabeça dos parlamentares petistas que vão disputar a eleição. E um obstáculo para a costura de alianças eleitorais.

Até quando será possível interditar um debate que está na cabeça de muitos petistas?

Outro fator contribui para a ampliação do isolamento petista: o “Lulinha paz e amor” deu lugar ao Lula carbonário, como se viu em seu discurso em São Bernardo.

É voltar ao PT do macacão. Só que este PT não pode ser reinventado, e a radicalização de seu líder acontece no momento em que se esvaiu o seu dom de mobilização. O palanque do ABC de agora ilustra bem que pouco ou quase nada restou do líder que encantava multidões.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, na Veja, em 11/4/2018. 

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*