Como pode um pai aguentar esse linchamento da filha?

Fiquei pensando hoje – o pensamento me surgiu na cabeça de repente, um tanto à toa, e foi ficando, ficando: como é possível que um pai possa permitir uma exposição da filha a tanta crítica dura, a tamanho linchamento, por tanto tempo?

Não era um pensamento político, de forma alguma: era coisa de pai. Fiquei imaginando se algo parecido, ainda que muito de longe, acontecesse com minha filha.

Roberto Jefferson vê os jornais fazerem as mais duras críticas à sua filha desde que saiu a nomeação dela para o cargo de ministra do Trabalho. Todo dia, todo santo dia, os jornais repetem à exaustão os casos escabrosos ou, para dizer o mínimo, vergonhosos em que Cristiane Brasil se envolveu com funcionários que trabalhavam sob suas ordens.

Todos os dias, desde o dia 4, Roberto Jefferson assiste ao bombardeio de críticas à sua filha. Já são 18 dias. E ele está aí, impassível. Tranquilo.

Poderia perfeitamente ter indicado um outro deputado do partido que preside, do qual é o manda-chuva, o dono, o proprietário. Poderia ter tirado a filha do paredão.

Mas nada. Continua impassível, tranquilo, dia após dia, noite após noite, Jornal Nacional após Jornal Nacional, Jornal das 10 após Jornal das 10. 18 dias, 18 noites.

Talvez esteja até gostando. Talvez esteja contabilizando que toda essa falação pode fazer bem à filha dele nas eleições de outubro.

Sei que político é feito de um material diferente do nosso. Há muito tempo sei bem disso. Mesmo assim, não consigo entender como aquele pai continua impassível, tranquilo, enquanto sua filha vira o Judas da vez.

Quando alguém faz mal a minha filha, tenho ganas de matar. Claro, não vou matar ninguém (embora haja algumas pessoas que talvez até merecessem), mas meu sangue ferve, chego a perder a lógica, a cabeça.

Definitivamente, não consigo entender como Roberto Jefferson é capaz de dormir.

22/1/2018

Um Comentário

  1. Luiz Carlos Toledo
    Postado em 23/01/2018 às 4:32 am | Permalink

    Não existe nada na legislação que impeça a posse da Cristiane Brasil. Se o governo está disposto a bancar o desgaste causado pela existência de processos contra a moça na área trabalhista, isso é uma decisão política que cabe apenas ao Presidente. O clima geral é de raiva e de inclemência contra qualquer político. Porém, está na hora da imprensa dar um freio de arrumação na sua colaboração com esse Macarthismo generalizado. Querem colocar o que no lugar dos políticos, ao equipararem automaticamente a atos de corrupção o caixa 2 e até infrações trabalhistas? Isso só serve àqueles brucutus que não aceitam a política como forma mais avançada e civilizada de se gerir uma nação.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*