Celaconto provoca maremoto

Quem já sabia ler no início de 1980 com certeza vai se lembrar dessa frase que tomou conta dos muros do Rio de Janeiro e logo se espalhou pelo Brasil. Não queria dizer nada, era altissonante, era gostosa de dizer e provocava uma baita curiosidade.

Pois “Celacanto Provoca Maremoto” é o que me ocorre dizer ao ouvir ou ler tanto Donald Trump quanto os políticos brasileiros.

O mais celacanto é sem dúvida o Baby Trump. “O que ele diz não se escreve” é maneira delicada de analisar as falas desse indivíduo que, não consigo compreender, foi eleito presidente dos EUA. Como ele não se responsabiliza nem pelo que diz nem pelo que desdiz, é tudo culpa da Imprensa, fica difícil acreditar em qualquer coisa que ele diga.

Desde que se encontrou com Vladimir Putin em Helsinki, na segunda-feira 16 de julho, Trump já deu várias versões do que resultou desse encontro. Fechados os dois numa sala na presença apenas de dois tradutores oficiais, ninguém sabe o que acordaram ou o que discordaram. O que se sabe é o que as fotografias revelaram: um Trump encantado ao se ver em tête à tête com o ex-KGB, o competente Putin. Como Trump mal sabe falar, pelos tuites dele podemos ver a diminuta dimensão de seu vocabulário, dá para imaginar como ele se transformou em massinha de modelar nas mãos do russo, um experiente chefe de Estado.

Depois de muitas idas e vindas, um disse não disse danado, o fato, ainda não desmentido por Trump, é o convite oficial para Putin visitar os EUA no início do outono no hemisfério norte, portanto antes das eleições americanas de novembro.

Até lá com certeza já conheceremos as muitas versões sobre a vida e a obra de Maria Butina, a espiã ruiva que circulou em altos grupos de Moscou e Washington. Cherchez la femme, como sempre disseram os franceses, parece ser mais verdade do que nunca.

E aqui, no Brasil, os nossos celacantos?

Lula, por exemplo, num texto assinado na Folha de S. Paulo, pergunta: “Aqueles que não querem que eu fale, o que vocês temem que eu diga? O que está acontecendo hoje com o povo? Não querem que eu discuta soluções para este país? Depois de anos me caluniando, não querem que eu tenha o direito de falar em minha defesa? Fizeram tudo isso porque têm medo de eu dar entrevistas? O que temem?”.

Tirando a Gleisi Hoffmann, será que ainda há quem acredite que Lula foi caluniado e sentenciado injustamente? Será possível?

E o Bolsonaro, que diz que os partidos não se negaram a indicar um vice para sua chapa, que isso é intriga da Imprensa? Precisamos vacinar o Bolsonaro, pois a praga Baby Trump, pelo visto, é contagiosa: tudo é mentira da Imprensa!

Nem preciso citar os demais candidatos à nossa Presidência… é cada celacanto…

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, na Veja, em 20/7/2018. 

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*