Vou contar uma história

Vocês conhecem instituições mais fortes no Brasil de hoje do que as célebres Redes Sociais e o terrível Politicamente Correto? Sem esquecer, naturalmente, do poder dos indigitados ‘selfies’…

Os ‘antepassados’ dos selfies conheci em 1986, em Paris. Viajava com filho e sobrinha, dois adolescentes cheios de vigor e energia, que eu já começava a perder. Fomos visitar a Catedral de Notre-Dame e eles, como eu mesma fizera no já longínquo ano de 1960, quiseram subir até o topo da torre norte para ver Paris do alto e os pináculos e gárgulas que conheciam do romance que os encantara, O Corcunda de Notre-Dame.

Ora, como vocês sabem, são 386 degraus até lá em cima, numa escadinha estreita e escura. Eles subiram, mas eu fiquei sentada em um banco diante da catedral, deslumbrada, como sempre, com sua beleza. Era o auge do inverno e o parvis de Notre-Dame estava tranquilo, calmo, com pouquíssimos turistas. Durou pouco a calma do momento. De repente, vários ônibus despejaram não sei quantos japoneses com suas fantásticas máquinas de retrato e câmaras de vídeo e, para meu espanto, eles não entravam na igreja. Paravam diante da fachada, um do grupo fotografava os amigos e aí voltavam rapidinho para os ônibus. Foram muitos grupos, muitos mesmo, e eu fiquei estarrecida olhando a animação deles. Ao meu lado, no banco, estava um casal italiano que, sorrindo diante do meu espanto comentou: “Eles vão viajar quando estiverem em Tóquio, confortáveis em suas casas, revendo onde estiveram”…

Sempre que vejo alguém fazendo selfies aqui no Rio eu me lembro daquela tarde em Paris. Com um detalhe: admiro sua coragem em arriscar um malandro passar por eles e, para arrancar o celular, machucá-los… ou pior.. e correr. Menos os selfies de ontem estampados na capa do jornal O Globo. Aqueles vão poder dizer, orgulhosos, aos netos: “Olha eu aqui, eu estive com o Rogério 157!”

Das Redes Sociais não é preciso falar, todos sabem da sua extraordinária força. Criam e destroem celebridades ao seu bel prazer. Fake News é seu oxigênio. Dizem o que querem, quando querem, sobre quem bem entendem, sem prova alguma e sem o menor medo. São, pelo anonimato que foi o que fez da Internet o que ela é, inimputáveis. Mandam e desmandam, são o verdadeiro Quarto Poder.

Grandes defensoras do tal de Politicamente Correto, quer dizer, do que para elas é politicamente correto, é impressionante a incrível velocidade com que viajam pela Internet! As injustiças que cometem, as maldades que destilam, tudo isso há de ter um fim, espero eu.

Enquanto isso não acontece, que tal nos divertirmos um pouco com as tolices politicamente corretas? Ganhei um livrinho escrito em 1994, intitulado Politically Correct Bedtime Stories: Modern Tales for Our Life and Times (Histórias Politicamente Corretas para a Hora de Dormir: Contos Modernos para Nossa Vida e Nosso Tempo), de James Finn Garner.

O autor satiriza a mania do politicamente correto e a consequente censura na literatura infantil. Com muito humor e talento para a paródia, ele reescreve as mais conhecidas histórias amadas pelas crianças de maneira a deixá-las do agrado dos politicamente corretos.

Eis como Garner relata, para a alegria dos modernos, a história do Chapeuzinho Vermelho: o caçador, que na versão original salva a avó e a menina, é decapitado pela avó que escapa do lobo por conta própria após ouvir a neta bradar que elas não precisam de homens para resolver seus problemas, já que esses são sexistas e se acham de uma espécie superior. Com a morte do caçador, Chapeuzinho, sua avó e o lobo formam uma família alternativa.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 8/12/2017. 

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*