Tempos esquisitos

Anteontem, manifestantes em grande número, convocados e bancados pelas centrais sindicais, se reuniram em Brasília para pedir o afastamento do presidente da República. Têm lá os seus motivos. Não são os mesmos que os meus, por exemplo, cada cabeça uma sentença. Mas em vez de expor o que sentem e pensam com a cabeça, preferem usar a força bruta, se comportar como irracionais.  Depredar prédios que pertencem a todos os brasileiros, deixar a nossa capital em estado lastimável, amedrontar quem lá trabalha, fazer da nossa bandeira uma piada de mau gosto.

A Polícia Militar de Brasília não soube agir, deu tiros para o alto e para os lados, fez um estrago medonho, mas não soube cumprir sua obrigação primordial, defender e proteger o povo e os prédios públicos. Perseguiu e feriu a Imprensa que estava lá para nos informar.

Que fez o Governo Federal, acuado em seus palácios e vendo a baderna se avolumar pela Esplanada dos Ministérios? Convocou as Forças Armadas e logo apareceram os que não sabem ver uma farda sem associá-la aos horrores de 64 e gritam: “Forças Armadas, não!”.

Como assim, Forças Armadas, não? Tempos muito esquisitos esses em que não se faz Justiça ao comportamento exemplar de nossos soldados desde a queda do regime militar, em 1985.

Queriam o quê? Deixar que os entusiasmados filhotes dos sindicatos arrebentassem com a capital? Por pouco não atingem a Catedral, por pouco não fazem de Brasília uma filial do inferno.

Pois as Forças Armadas compreenderam muito melhor e aceitaram com garbo a vontade do povo exprimida pelas Diretas Já!, muito mais do que certos civis que só pensam em como se manter no poder para usufruir do tal do foro privilegiado.

O comportamento de nossos soldados tem sido exemplar. Deles é a obrigação de zelar por nossas fronteiras e pela Lei e a Ordem. Se mais não fazem, é porque lhes falta dinheiro até para o rancho, até para os coturnos, até para manter os quartéis em bom estado.

Não sou eleitora dos bolsonaros da vida. Meu coração enregela ao pensar que eles poderiam ocupar o Planalto. Justamente por isso é que não deixarei de agradecer ao bom desempenho dos soldados que juraram e cumprem nossa Constituição.

Ainda por cima, foi muito barulho por quase nada.  As Forças Armadas ficaram na Esplanada por menos de 24 horas. Foram dispensadas ontem pela manhã. A ordem já tinha sido restabelecida. Outro ponto a favor delas.

Mas os tempos estão mesmo muito esquisitos. Vemos jornalistas terem suas fontes violadas, vemos juízes que cumprem exemplarmente suas funções serem criticados por advogados que esquecem o juramento que fizeram ao serem admitidos na OAB: “O verdadeiro advogado presta serviços a seu cliente, mas a ele não pode ser subordinado. Não fazemos o que o cliente quer, mas o que a lei nos permite para que possamos defender seus direitos e interesses”.

E vemos também, absolutamente chocados, tratamento diferenciado para criminosos que cometeram o mesmo crime: a corrupção que arrebenta com nossos hospitais, com nossas escolas, com nossas vidas, que ameaça nosso mais valioso bem, a democracia. Tempos muito esquisitos…

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 26/5/2017.

Foto Marlene Gomes/D.A Press

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*