Historinha de redação (18): Pio conhece Mary em saia justa

Primeira campanha presidencial pós ditadura, 1989. Mary Zaidan, repórter da Sucursal de Brasília da Agência Estado/Estadão, acompanhava o candidato Mario Covas onde ele fosse – e ele iria a Curitiba. 

A jovem repórter chegou, se instalou no hotel reservado, recém inaugurado na Praça Santos Andrade. Como tinha algum tempo antes da chegada do candidato à cidade, ligou para a Sucursal de Curitiba, combinou encontro com o chefe da Sucursal, Dirceu Martins Pio. E foi tomar banho.

Aí, na hora de sair do banheiro… o trinco da porta caiu no chão. Não tinha como abrir. 1989, não havia celular, nem ramal telefônico no banheiro para falar com a portaria.

A repórter dana a fazer barulho. Bate na janela do banheiro, berra, faz todo tipo de ruído que consegue.

Depois de muito tempo, ela consegue estabelecer contato com uma camareira. Quando Pio chegou para encontrar-se pela primeira vez com a colega de Brasília que só conhecia de nome, subiu para o quarto acompanhado de camareira, gerente e chaveiro.

Finalmente, Mary se livra da prisão em que ficou por bem mais de meia hora, quase uma hora inteira.

A primeira vez que Pio viu Mary, ela estava coberta só com uma toalha do hotel.

Mas que ninguém pense que houve qualquer sacanagem aí, tá?

Até porque, alguns poucos meses depois, em meados de 1990, desembarcou uma tropa de choque da Agência Estado para apagar um incêndio grande na Sucursal de Brasília. Tinha decidido sair o então diretor, o Luiz Cláudio Cunha, que, depois de sua temporada na Veja, que o tornou famoso por causa da história do casal de uruguaios preso no Brasil e entregue à ditadura vizinha, tinha trabalhado conosco da revista Afinal. Da tropa de choque faziam parte os diretores da Agência, os então braços direitos do Rodrigo Mesquita, Sandro Vaia e Elói Gertel, mais Dirceu Martins Pio e Sérgio Vaz. Durante o período de intervenção para apagar incêndio, este último começou a namorar a moça, apesar de o colega Fernando Barros, coordenador de Economia, ter lembrado que na casa em que se ganha o pão não se come a carne.

17/12/2017, o dia dos 70 anos de Dirceu Martins Pio.

Na primeira foto, feita pela Fernanda, estamos Dirceu Pio, Giuliana Vaia, Vera Vaia, Mary Zaidan, Sérgio Vaz e Sandro Vaia. 

Na segunda foto, Fernanda e Mary trocaram de lugar. 

As duas foram feitas em Brasília, em julho de 1990. 

Meu Deus, como as meninas eram meninas – e como éramos todos jovens! 

Para ler outras historinhas de redação, veja a tag.

 

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*