Apesar de Brasília

Há Brasília e há o Brasil, separados por uma distância fenomenal. Lugar comum, a frase ganha toneladas de chumbo quando as crises se agudizam. Quase nada do que faz sentido para os ocupantes da Praça dos Três Poderes dialoga com o resto do país – um divórcio irreconciliável não por um ou outro contencioso, mas por absoluta incompatibilidade.

Atribuem-se as desavenças recentes à corrupção deslavada que se institucionalizou a partir do governo do ex-presidente Lula, cristalizada nos 13 anos de petismo. Tem lá bastante peso, mas há muitas outras contas para acertar. A começar pela discrepância entre o tanto que se cobra de impostos e a qualidade (péssima) dos serviços retornados ao cidadão.

Em tudo e por tudo é uma relação discordante.

Enquanto Brasília debruça-se única e exclusivamente nas denúncias de corrupção, tendo agora o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves como pontas-de-lança, boa parte do país quer virar a página. Quer combater a bandidagem, colocar na cadeia quem roubou. Mas também respirar, sem que interesses puramente eleitorais coloquem a perder o pouco oxigênio que a economia produziu.

Mas na Brasília com protagonistas em agonia a pauta é outra.

Primeiro, é o salve-se quem puder, lema que alimenta as guerrilhas permanentes entre os poderes, cada um tentando se safar de qualquer forma, não raro da pior maneira. Com isso, o Judiciário assume tarefas legislativas, o fragilizado Executivo aposta fichas em moedas de troca com o Parlamento, o Ministério Público vira juiz.

A agenda eleitoral vem em seguida. E é em torno dela que se dá a ação.

No Congresso, senadores festejam a derrota da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Agem para uma plateia cativa mesmo sabendo que são pequenas as chances de a rejeição se manter no plenário.

Pouco importa para eles se a votação embutiu medo em quem contrata. E que tenha atrapalhado a vida de 14 milhões de desempregados que lutam não pela carteira assinada, mas por migalhas, por espaço na informalidade, agora também congestionada.

Exemplos de irresponsabilidade irrestrita não faltam.

Enquanto o cidadão economiza até os centavos que não tem, a Comissão de Finanças da Câmara aprova novos 370 cargos para o Tribunal Eleitoral de São Paulo, aumentando ainda mais os já astronômicos gastos da Justiça Eleitoral, cuja instância máxima, em Brasília, consome R$ 5,4 milhões por dia.

Tudo feito sem perguntar a opinião do trabalhador, que, seguramente, repudia a cobrança do imposto sindical compulsório que os senadores vitoriosos na CAS querem manter. Ou ao eleitor, que preferia não ter a obrigação de votar, mas tem de sustentar uma Justiça inócua, que deveria fiscalizar contas de partidos políticos e não o faz, e que pune de acordo com a conveniência.

Como explicar, por exemplo, que com vacas tão magras o país tenha gastado R$ 270 milhões, em apenas cinco meses, para custear 35 partidos políticos? E que nenhum tostão foi fiscalizado?

Com Temer, que já era impopular, nocauteado, a dissintonia do cidadão com o Planalto também só cresce. E não sem motivo. Como engolir da planície que o mesmo governo que pede sacrifícios gaste com bondades para governadores e parlamentares a fim de evitar a aprovação da denúncia-crime contra o presidente?

Há o Brasil e há Brasília. E, ao contrário das previsões, mesmo diante da infernal crise política, a economia vem resistindo com bravura quase inexplicável. Talvez porque a energia que a impulsiona habite o Brasil real, fora do retângulo que abriga os Três Poderes. Resta saber até quando as baterias suportam.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 25?/6/2017. 

Um Comentário

  1. JOÃO MACEDO
    Postado em 26/06/2017 às 11:38 am | Permalink

    DIZEM OS INDIANOS QUE AS PALAVRAS TEM MUITA FORÇA.NUNCA CONFUDA BRASÍLIA COMO SINÔNIMO
    DE GOVERNO.BRASÌLIA CARREGA O ÔNUS DE RECE- BER OS POLÍTICOS QUE PARA CÁ SÃO ENVIADOS.JÁ
    PAGAMOS MUITO PELOS QUE ESCOLHEMOS.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*