Arquivos Mensais: dezembro 2017

A sabedoria do desapego, a arte do bom humor

Agora, se fosse para falar sério, como na canção doída e linda de Chico do disco de 1970 …

(“Dou um chute no lirismo / Um pega no cachorro / E um tiro no sabiá / Dou um fora no violino / Faço a mala e corro / Pra não ver a banda passar.”Ler Mais »

Ano estranho, com jeito esquisito

Bom para muitos, ruim para alguns, mais ou menos para outros tantos. Com diferenças aqui e ali é assim que os anos terminam.  Incorporando adjetivos menos usuais, o ano de 2017 acaba entre o estranho e o esquisito. Ler Mais »

A economia melhorou. E muito

Os últimos dias de 2017 foram pródigos em boas notícias da economia – novos dados que apontam que está ficando para trás a maior recessão da História do país, resultado dos 13 anos, 4 meses e 12 dias de governo lulo-petista. Ler Mais »

Mamute planaltino

Um mamute foi reproduzido no País, diante dos olhos da nação, e ninguém se deu conta. Evoluiu da forma embrionária para a adulta em uma incubadora nada discreta, o Parlamento, em Brasília. Sua natureza nem um pouco sutil avultou aos olhos na nação, e ainda assim não assombrou ninguém. Ler Mais »

Não foi nenhuma Brastemp, mas…

Para os pessimistas de plantão 2017 foi um ano para se esquecer e nada há para comemorar. Já os otimistas farão sua leitura cor de rosa, caracterizando-o como o ano em que o Brasil deu a volta por cima e saiu da recessão. Um e outro têm razão, ao menos parcialmente. Ler Mais »

No tempo das redações com bom humor

Flash: O JORNALISMO VEIO A FALECER.

(não segue ampliação)

Ler Mais »

Para reacender a alma de Santo Agostinho

Parece que foi ele que matou ou mandou matar o Super-Homem. Já estou a falar de Eddie Mannix, que é a mesma coisa que agarrar um gato pelo rabo só para o assanhar. Ler Mais »

Onze homens e onze sentenças

Com ativismo e atividade intensas, a Corte Suprema do país encerrou 2017 superando a incrível marca de 200 mil casos julgados. Um recorde e tanto se não viesse acoplado a outro absolutamente alarmante: mais de 80% das decisões foram monocráticas, ou seja, com arbitragem de um único ministro. Algumas delas contraditórias, em flagrante desobediência a deliberações do pleno. Ler Mais »

Se há uma coisa que Marina não é…

Nestes dias às vésperas da quinta festa de Natal na vida de Marina, me ocorreu que minha neta, que merece um número tão grande de bons adjetivos – fofa, doce, suave, gostosa, amável, carinhosa, atenciosa –, não faz jus a “surpreendente”. Ler Mais »

Foi como abrir a janela e deixar entrar o ar fresco da manhã

Quando leio, aqui e em bons jornais de outros países, que Lula acabou com a pobreza no Brasil, fico perplexa. Como assim, acabou? Deixou de ser pobre um país onde não há creches ou escolas para todos, nem saneamento básico ou água corrente em todos os municípios, ou atendimento hospitalar para seus cidadãos? Pode deixar de ser considerado pobre um país onde encontrar pessoas dormindo nas ruas nem chama mais a atenção? Ler Mais »

Trocar pneus ou consertar o ar condicionado?

A poucos dias do verão, um sobrinho meu, o Rô, estava com os pneus do carro gastos, e pouco dinheiro. O que fez? Deixou os pneus para mais tarde e mandou consertar o ar condicionado do carro. Nós, da família, concordamos inteiramente com ele. Ler Mais »

O que há em comum entre Lula e Bolsonaro

Na teoria, o ex-presidente Lula e o deputado Jair Messias Bolsonaro são antípodas. Um está no espectro ideológico da esquerda e outro no da direita. Na prática, a teoria é outra. Há muito mais em comum entre os dois candidatos à Presidência da República, que por ora são os mais bem situados nas pesquisas, do que pode imaginar a nossa vã filosofia. À sua maneira, ambos adotam um discurso sebastianista, vestindo eles mesmos a roupagem do salvador da pátria. Ler Mais »

Está melhorando (23)

Só mesmo benzendo – como fez, nesta terça-feira, 19/12, um sujeito que se identificou como pai de santo, o Pai Uzeda. Pai Uzêda subiu ao palco do local em que se realizava a convenção do PMDB e benzeu Michel Temer. Depois explicou que “fizeram um trabalho de vodu contra o presidente”. E deu o nome aos bois: “O PT fez macumba contra ele”. Ler Mais »

Para não esquecer quem arruinou estatais

O PT é a favor do Estado Gigante, todo poderoso, mastodôntico. É visceralmente contra privatizações, e defende com unhas e dentes as estatais. Paradoxalmente, no entanto, quando está no poder, destrói, arruína as estatais. Ler Mais »

Um branco par de cuecas

“O realismo existe. É uma coisa.” É o que Harry Dean Stanton assevera – que é mais do que dizer – em Lucky, o mais belo filme do ano, garantem os meus olhos, coração e alma, se o velho Harry Dean não me convencesse de que a alma, ao contrário do realismo, não é uma coisa, logo não existe. Qual escola de Frankfurt, qual caneco, se posso também eu asseverar, este filme existe e é uma coisa. Ler Mais »