Arquivos Mensais: janeiro 2017

Civilização. Civilidade

O jeito de ser no nosso País pouco mudou desde que o bispo Sardinha foi comido pelos índios caetés, nos primórdios da nossa história. Os maus costumes à mesa certamente ficaram para trás, como tem mostrado JA Dias Lopes, o notável crítico e historiador de gastronomia. Mas em outros campos – da mentalidade burocrática, às maneiras, ao jeitinho, ao descumprimento de normas – continuamos mal. Ler Mais »

Meryl defende a luz

74th Annual Golden Globe Awards - Season 74

A cerimônia de entrega dos Globos de Ouro de 2017 teve diversos momentos fascinantes, emocionantes, memoráveis. Mas foi Meryl Streep que – como faz sempre nos filmes – roubou a cena. Ler Mais »

Quanta barbaridade

Símbolos da falência do Estado, os massacres nos presídios de Manaus e Boa Vista, com quase nove dezenas de mortos, expõem outra barbaridade: apoios explícitos à matança. Ler Mais »

A culpa é toda do Temer

É sempre bom lembrar: mortes em incêndios, enchentes, deslizamentos de terra, e rebeliões em presídios – para não falar de tsunamis, terremotos, vulcões – não são de responsabilidade do presidente da República, do governador do Estado ou do prefeito. Ler Mais »

Meia dúzia de coisas que incomodam, para dizer o mínimo

O ano de 2017 entrou violento, como a querer dizer que fomos precipitados em comemorar a saída de 2016.  O Brasil está numa fase que, Deus nos perdoe, torna quase impossível ter esperança por dias melhores. Ler Mais »

Como será 2017? Responda quem puder

Na virada do ano milhões de brasileiros jogaram flores a Iemanjá, consultaram os búzios ou cartas de tarô, pediram para a cigana ler as suas mãos. Tudo para saber o que o destino reserva para 2017, se as suas vidas passarão pelo mesmo sufoco de 2016 ou se há sinais de que vai melhorar. Ler Mais »

Do nariz de cera ao lead sumário

O jornalismo moderno reprimiu a veia literária de redatores e repórteres de meados do século passado. Acabou com o nariz de cera, então em uso. O nariz era um preâmbulo cheio de estilo, para criar o clima – e finalmente entrar na notícia. Ler Mais »

Com a bênção de Hemingway

zzmanuel1

Não eram de se render. Marlene Dietrich não se rendeu a Hitler, Jean Gabin não se rendeu à pata nazi, na Paris ocupada. Juntou-os a América, que ainda não sabia se ia ou não à guerra. Ou talvez tenha sido um involuntário Hemingway a apresentá-los, num selecto clube de Nova Iorque. Ler Mais »

Tem de ser honesto

Dia Mundial da Paz, o 1º de janeiro no Brasil poderia também ser o dia da jabuticaba, já que por aqui, bienalmente, são empossados os eleitos no ano anterior. Desta vez, mais de 11 mil prefeitos e vices e 57.736 vereadores, que passam a desenhar o novo – talvez nem tanto – mapa político do Brasil. Ler Mais »