Tão jovens, tão velhos

Daqui a 20 ou 30 anos, quando as salas de aula pouco terão a ver com os dias de hoje, historiadores e pesquisadores que se debruçarem sobre o atual movimento de ocupação das escolas, em protesto contra a reforma do ensino médio, vão entendê-lo como algo tão anacrônico como a Revolta da Vacina de 1904.

Na época, por desinformação e ignorância, a Escola Militar e boa parte da população do Rio de Janeiro se sublevaram contra a vacinação obrigatória, forçando o governo de Rodrigues Alves a decretar estado de sítio na cidade. Medida dura, mas o sanitarista Oswaldo Cruz estava certo. Só assim a epidemia de varíola foi extinta no Rio de Janeiro.

Em defesa da Revolta da Vacina pode-se arguir que o grau de informação era precário, pois os meios de comunicação praticamente se resumiam aos jornais e a maioria da população era analfabeta. A ignorância é a mãe do obscurantismo, de movimentos regressistas como o de Canudos de Antônio Conselheiro.

O mesmo não se pode dizer sobre os dias atuais. Os modernos meios de comunicação democratizaram as informações, hoje acessíveis a todos, inclusive à minoria que ocupa as escolas. As mazelas do ensino médio são sobejamente conhecidas, tanto por educadores como por quem sofre na pele as suas consequências, os estudantes e pais de família.

O problema maior não é a ocupação das escolas, embora seja uma forma de luta estapafúrdia e antidemocrática por meio da qual uma pequena parcela impõe seu ponto de vista a milhões e milhões de outros jovens impedidos de frequentar as aulas.

Não é apenas uma questão de forma. É, principalmente, um problema de conteúdo. O movimento ocupacionista é essencialmente reacionário, no sentido de ser contrário a idéias transformadoras. Leva, concretamente, à manutenção do status quo do nosso sistema educacional, perpetua o pacto da mediocridade, onde parte dos professores finge que ensina e parte dos alunos finge que estuda.

Parece não darem conta de que o mundo se move e com ele a educação.

No Colégio Bandeirantes, tradicional escola particular de São Paulo, da qual faço parte, as barreiras literalmente estão sendo derrubadas. Em 2017 não haverá mais divisão rígida por disciplina, as aulas de laboratório de física, química, biologia e artes acontecerão em um mesmo espaço, com professores de várias áreas interagindo simultaneamente. A palavra-chave é interdisciplinaridade. Será adotado um “currículo escolar flexível” (como propõe a Medida Provisória da Reforma do Ensino Médio) com vistas a permitir ao aluno a seleção de algumas disciplinas nas quais queira se aprofundar, conforme sua vocação.

Não pensem ser um caso isolado. As boas instituições do ensino privado brasileiras trilham o mesmo caminho, pois a escola que não se reinventar desaparecerá do mercado ou terá peso pena.

As mudanças chegam também ao ensino fundamental. Os centros de excelência da rede privada começam a focar no desenvolvimento dos aspectos não cognitivos dos alunos, no incentivo à capacidade de liderança, na relação entre o todo e as partes, no pesquisar com espírito crítico e na capacidade analítica.

E não o fazem por modismo, mas por necessidade do país em ter cidadãos mais preparados, em especial, para o mercado de trabalho, que requer hoje um profissional com qualidades inteiramente diferentes da época do chão de fábrica.

Vem sendo ditada também por instituições de ponta do ensino superior, que avaliam os chamados conhecimentos não cognitivos, em seu processo seletivo. Isso já acontece na seleção das conceituadíssimas Faculdade de Medicina Albert Einstein, na Faculdade de Engenharia do Insper, na Escola de Administração da Fundação Getúlio Vargas.

Mais: vislumbra-se no horizonte uma importante alteração no exame internacional PISA – OCDE, principal instrumento de avaliação do ensino no mundo, que pauta políticas educacionais em vários países. Sim, o PISA deve passar a agregar aspectos não cognitivos em futuras avaliações.

A transversalidade, o currículo flexível, a mudança da arquitetura das salas de aulas, a valorização de habilidades que farão a diferença na vida futura dos alunos, os trabalhos por projetos, a combinação do ensino presencial e à distância estão sendo implementadas em países de ponta: Estados Unidos, Canadá, Finlândia, entre outros.

Cedo ou tarde, o Brasil terá de acompanhar esse movimento. O preocupante hoje é que as escolas privadas de boa qualidade já estão acertando o passo, enquanto na rede pública o corporativismo, a ideologia, a má fé e a ignorância operam para aprofundar o fosso da desigualdade social, condenando nossa juventude ao atraso.

Involuntariamente, ou não, o movimento de ocupação das escolas faz esse jogo.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 9/11/2016.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*