O bisavô Lula fala aos seus

Entrevista não foi. Entrevista coletiva, então, vamos falar sério, é que não foi mesmo. Coletiva sem perguntas dos jornalistas é piada, não é, não?

Que nome dar então àquela apresentação de Lula ontem em um hotel em São Paulo?

Pronunciamiento?  É, pode ser, já que foi somente uma declaração pública de como ele é bom, generoso, altruísta, devotado aos pobres e aos menos favorecidos pela sorte.

Quer dizer, foi outra sessão de autobiografia. Tema que sempre comove seus seguidores que já sabem de cor toda a trajetória do líder, mas que adoram ouvi-lo dizer o quanto foi pobre e como subiu na vida. É o tipo de pronunciamiento que faz sucesso entre os petistas. Talvez acreditem que se ele conseguiu, por que outros não conseguiriam?

Mas não quero ser injusta: ao menos uma novidade ele apresentou aos vermelhos que o seguem. É verdade que não foi dita em tom muito entusiasmado, mas o fato concreto, como ele gosta de dizer, é o que foi revelado num tom meio monocórdio: Lurian vai ser avó, o que fará dele um bisavô!

Por que Lula não honra seus sete netos e o bisneto que vai chegar com uma entrevista coletiva para responder às acusações do Ministério Público? Isso seria uma herança muito mais rica que qualquer chácara em Atibaia ou apartamento no Guarujá.

Ele bravateia que se apresentarem uma prova de corrupção contra ele irá a pé depor. Como ele sabe que não há nenhum bilhete dizendo “Recebi a propina. Obrigado XXX” e não acha que provas testemunhais ou indícios fortes sejam prova, fez essa ameaça com o coração à larga! Sim, ameaça, porque Lula a pé, de São Bernardo do Campo a Curitiba, seria um martírio que traria ao Brasil os mais altos nomes da imprensa internacional. Seria o mártir dos mártires, já pensaram?

Foi um improviso muito bem estudado. Seus advogados pediram a ele que cuidasse das palavras, talvez que esquecesse a jararaca. Pelo menos a jararaca não apareceu, apareceu foi um crocodilo com muitas lágrimas.

Já votei no Lula, em 2010. A decepção que ele causou foi imensa, mais do que isso, imperdoável. Com o tempo, e com as descobertas de todas as tratantadas do PT, fui ficando cada vez mais indignada com ele.

Ele diz que elevou o nome do Brasil no exterior. Bem, depende em que parte do mundo e diante de quais figuras nosso nome ficou mais elevado. Porque, dependendo de quem são, o que Lula nos fez foi um enorme desfavor.

Foram, enfim, palavras ocas, já que ele não respondeu a nenhuma das acusações que fazem parte da grave denúncia feita pelos ‘meninos’ da PGR.

Por exemplo, custava dizer por que a OAS pagou pela guarda daquela “tralha” (a expressão é dele) que deveria ter ficado em Brasília, como acervo da Nação?

Sabem de uma coisa? Melhor fez Marisa Letícia, que ficou em casa para almoçar com os filhos. Era o que ele deveria ter feito, já que não ia responder a nada, só chorar e se lastimar e se fazer de vítima.

Nem a jararaca você trouxe, Lula. Foi pena. Quem sabe ela não seria a sua salvação?

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 16/9/2016. 

5 Comentários

  1. MILTINHO
    Postado em 18/09/2016 às 1:16 am | Permalink

    ♪ Vai ser desse jeito! ♫

    Compartilhe o jingle e se inscreva para participar da campanha: http://www.marcelofreixo.com.br/
    #Freixo50 #ÉPossível

  2. Luiz Carlos Toledo
    Postado em 18/09/2016 às 2:23 am | Permalink

    Uma vez fui visitar o balcão do Palazzo Venezia, em Roma, onde Mussolini hipnotizava as multidões com suas performances eletrizantes, misturando drama, bravatas, humor e demonização dos adversários. É um balcãozinho mixuruca, surpreendentemente estreito, onde só cabia o líder adorado pelas massas de trabalhadores. Fui visitar porque sempre achei as performances de Lula e aquele mar de bandeiras dos comícios petistas muito parecidos com os de Mussolini. Idolatrado por Hitler, o ex-socialista Mussolini provou o quanto os extremos se tocam ao trocar a extrema esquerda pela a extrema direita praticamente sem mudar a essência do seu discurso nacionalista e autoritário. Jornalista, fantasiava-se com um uniforme de soldado defensor da pátria, que dava muito mais ibope na época do que o macacão de operário. Mas sua base de apoio eram os trabalhadores. Histriônico, demagogo, mentiroso, convenceu os italianos de que tinha transformado o país numa potência. A fala, o gestual ridículo, a teatralidade o uso de roupas simbólicas, as narrativas deturpadoras dos fatos, tudo era imensamente parecido com o que fizeram depois muitos ditadores de direita e nossos manjados Chaves, Maduro e Lula. A poderosa máquina de propaganda fascista anunciava um progresso que não passava de ilusionismo. Precisando mostrar poder para justificar tanta propaganda, e mesmo porque era o inspirador do poderoso Hitler, Mussolini provocou brigas e invadiu os vizinhos mais fracos: Abissínia, Albânia e Grécia pareciam presas fáceis. Levou surras vergonhosas dos pequenos exércitos desses países. Teve que ser socorrido pelos nazistas na Grécia para evitar a desmoralização total do Eixo. Quando os italianos finalmente se conscientizaram do tamanho da farsa que era Mussolini, nos campos econômico e militar, ficaram furiosos, o destituíram e prenderam. Ele foi resgatado da prisão por um comando da SS nazista, mas acabou preso de novo. Seu corpo e o da amante, Clara Petacci ficaram em exposição, pendurados de cabeça para baixo em um posto de gasolina, sob o aplauso de ex-fascistas furibundos. Sempre achei o discurso de Lula muito parecido com o de Mussolini, mas com um gestual e performances um pouco menos espalhafatosos. Neste quesito, ninguém ganha de Chaves. Nem Maduro e sua roupa ridícula. E também não considero nenhum destes três de esquerda. São líderes populistas, oportunistas, que assumiram o discurso de extrema esquerda porque estava na moda na América Latina. Mas abraçariam tranquilamente as teses de extrema direita se fosse esse o hit do momento.

  3. MILTINHO
    Postado em 18/09/2016 às 7:00 pm | Permalink

    Perfeito o texto acima explica os votos em Lula. Só falta agora mata-lo e pendurar seu corpo, junto ao de Marisa Letícia no vão do MASP. altar dos furibundos fascistas.

  4. Luiz Carlos Toledo
    Postado em 18/09/2016 às 10:42 pm | Permalink

    Quem matou e pendurou Mussolini, o inventor do fascismo, foram os guerrilheiros esquerdistas italianos conhecidos como Partizans. Lutaram ao lado dos aliados, inclusive da FEB, na II Guerra. De minha parte, não defendo pena de morte nem em caso de assassinato. Por que, então, a defenderia para um ladrão. Quero Lula julgado e preso por seus crimes. Por ter traído o Brasil. Por ter ficado anos no governo sem combater o analfabetismo, sem investir em educação e tratando os pobres com o mesmo paternalismo que trataram todos os ditadores populistas de esquerda e de direita. O discurso em favor dos “descamisados” é sempre o mesmo e tem como único objetivo distribuir migalhas, para permanecer no poder roubando bilhões. Os velhos truques de Mussolini continuam sendo repetidos na triste América Latina como se fossem novidade. É utilizado até por líderes religiosos, como o amigo de Lula, Edir Macedo, que se tornou milionário com suas simpáticas “obras sociais”.

  5. MILTINHO
    Postado em 19/09/2016 às 7:01 pm | Permalink

    Podem colocar Lula e Marisa de cabeça para baixo, salgarem seus corpos e expô-los no vão do Masp, só assim evitarão sua volta em 2018. Torço que assim seja, alguém entre os golpistas deverá fazer o trabalho mais sujo.
    Votaram nele agora só matando.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*