Não são só os 10,67%

Nas jornadas de 2013, quando milhares foram às ruas nas principais cidades do país, um slogan chamou a atenção: não são só os 20 centavos. Parodiando os jovens daquelas manifestações, diríamos que não são só os 10,67% da inflação de 2015, a maior dos últimos 13 anos, que preocupam os brasileiros.

Por detrás dos números frios está a possibilidade de retroagirmos ao pré-Plano Real; ao Brasil da combinação do binômio inflação-recessão, do desemprego em massa, da continuidade do imposto mais perverso e injusto, aquele que corrói o poder aquisitivo das camadas mais pobres da sociedade.

É sob este pano de fundo que será realizada a próxima reunião do Conselho de Política Monetária, quando o Banco Central deverá dar início a uma nova escalada da taxa básica de juros. Talvez seja o único remédio disponível na prateleira diante do descontrole inflacionário.

O melhor dos cenários aponta para uma inflação de 7% para 2016. Pode ficar nessa faixa um bom par de anos. A isso vem se chamando de limbo inflacionário. Dele o país não sai se não for resgatada a credibilidade da política econômica e dos compromissos com os fundamentos econômicos mandados para o vinagre nestes cinco anos de governo Dilma Rousseff.

No pior – a resiliência da inflação na casa de dois dígitos -, o Brasil de amanhã pode ser a Argentina dos tempos de Cristina Kirchner.

O receituário dos juros altos não será indolor, por mais que a equipe econômica tente dourar a pílula.  Padece de seriedade a avaliação de setores do Banco Central de que, pelo fato de a economia estar em anemia profunda, uma nova rodada de elevação da Taxa Selic não terá impacto no emprego e no consumo.

Mas como retomar a credibilidade da política econômica? Apenas elevar os juros produz os resultados desejados?

Se não vier acompanhada de reformas estruturais – previdência, trabalhista, entre outras –, se não houver uma política voltada para a redução da relação dívida pública/PIB, a elevação será novamente inócua. Para utilizar uma frase antiga da própria presidente Dilma, o Banco Central estará enxugando gelo.

Sem limites, a presidente namorou com o perigo. Ignorou todos os alertas de economistas, de analistas e jornalistas especializados, do próprio mercado. Apostou, irresponsavelmente, no expansionismo fiscal. Agora, quando o monstro exibe sua face tétrica, Dilma descobre que é preciso fazer alguma coisa, antes que ele a devore.

Mas, prisioneira das contradições internas do lulo-petismo, se vê diante de sua “Escolha de Sofia”. Tem de optar entre a utopia regressiva das bases, que querem o retorno da “nova matriz econômica” e aquilo que os investidores exigem para voltar a crer no Brasil: responsabilidade fiscal, compromisso com superávit primário, meta inflacionária, entre outros fundamentos.

A presidente tenta se equilibrar na corda bamba, como se pudesse servir aos dois senhores: o Deus Mercado e o Deus Corporações. De um lado, acena com a alta de juros e, de outro, amasia-se com novas medidas heterodoxas, como usar as reservas cambiais do Brasil para estimular artificialmente a retomada do crescimento.

Neste mar de instabilidade, não há política anti-inflacionária que resista. O problema é maior e mais grave do que os 10,67% da inflação do ano passado. Divorciada dos interesses do Brasil, Dilma personaliza os maiores entraves: a falta de credibilidade, previsibilidade e respeitabilidade da política econômica.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 13/1/2016. 

2 Comentários

  1. MILTINHO
    Postado em 15/01/2016 às 2:28 pm | Permalink

    ‘Aumentar juros seria um erro de estratégia’ há grande pressão do mercado financeiro para uma elevação da taxa de juros.“Se criarmos uma sociedade de rentistas, que é basicamente o que temos no Brasil, você vai estar estimulando exageradamente o ócio e a especulação financeira, em detrimento da produção, do consumo, da renda e do emprego” é preciso ter no Brasil um mercado financeiro sólido e estável, mas sem deixar que uma taxa de juros elevada e a especulação desenfreada inviabilizem as atividades produtivas. “É muito fácil esse cálculo. A taxa de juros ideal é aquela compatível com a rentabilidade que você tem nas atividades produtivas. Toda vez que você tem uma taxa de juros maior, você vai estimular a especulação”.
    Hoje, no país, a taxa de juros real – descontada a inflação – é de cerca de 6%. Em países desenvolvidos, costuma ser igual a zero ou até negativa. Nos demais países em desenvolvimento, oscila entre zero e 1%.“A nossa taxa é cinco, seis vezes maior. Precisamos resolver as armadilhas que nós mesmos criamos ao longo do tempo, como a indexação, que é o reajuste automático de preços, tributos, contratos. E estabelecer um mecanismo de financiamento da dívida pública que privilegie o longo prazo, para que as pessoas se sintam mais confortáveis em investir na produção”.
    A proposta apresentada pelo PT de elevar para uma alíquota de 40% o Imposto de Renda dos mais ricos, a medida encontrA muita resistência, mas aponta a necessidade de uma ampla reforma que promova maior justiça tributária.tem que ser feito no bojo de uma reforma mais ampla. “Porque senão há muita resistência. A sensação que as pessoas têm principalmente devido à má qualidade dos serviços prestados pelo Estado, é de que você vai pagar mais e não ter uma contrapartida,
    Como conciliar isso? “Reduzindo o maior gasto do governo, que hoje chega a 9% do PIB, que é o gasto com pagamento dos juros da dívida; restabelecendo uma melhora no ambiente de gastos públicos de forma perene, porque corte de investimentos é um tiro no pé, que desestimula a atividade. Precisamos de uma reforma fiscal e tributária que corrija essas distorções, abrindo espaço para o crescimento.

  2. MILTINHO
    Postado em 15/01/2016 às 3:51 pm | Permalink

    Cabe manifestar surpresa, e até estranhamento, quanto ao silêncio de pessoas e entidades que se manifestam vigorosamente contra a taxa Selic de 4% ou 5% ao ano, em postura absolutamente justa e correta, mas se omitem, silenciam, mantêm total cumplicidade com a prática recorrente da usura dos bancos que ferem famílias e empresas brasileiras. Assim chegamos às absurdas taxas efetivas de 800% ao ano nas operações de crédito.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*