Jogos vorazes

Vamos tentar colocar um pouco de ordem nessa bagunça.

Sim, Eduardo Cunha, o presidente da Câmara, não é um homem digno de confiança. Corre contra ele um processo do Conselho de Ética que visa tirar-lhe o cargo ou até o mandato.

Mentiu dizendo que não tinha conta na Suíça até que apareceram os extratos. A origem do dinheiro mereceu dele explicações rocambolescas.

Os votos dos três deputados do PT que fazem parte do Conselho são decisivos para traçar o destino de Cunha. Eles podem absolvê-lo ou condená-lo.

Por outro lado, Cunha é o presidente da Câmara até o momento em que for apeado do cargo e só ele, constitucionalmente, tem o poder de acolher um pedido de impeachment da presidente da República.

São os sortilégios da política: tanto poder concentrado na mão de um deputado que pode ser cassado a qualquer momento.

Enquanto ele tentava barganhar com o governo uma troca dos 3 votos pelo pedido de impeachment,  disse que o governo tentava era barganhar com ele. Conhecendo os atores envolvidos, é bem provável que ambos tenham razão.

Enquanto o governo e Cunha tentavam acertar as suas barganhas, o PT endureceu e seus 3 deputados anunciaram que votarão a favor da aceitação da denúncia. Mas o PT não é governo, e o governo, afinal não é do PT? Mais uma vez, sortilégios da política. Fica parecendo que entre a desmoralização definitiva e a sorte de sua presidente não tão amada, o PT fez uma escolha clara: salvar o que ainda é salvável.

Depois de anunciada por Cunha a aceitação da proposta de impeachment encabeçada pelo ex-petista Hélio Bicudo, a presidente, que alterna seu estado de espírito entre a perplexidade e o estarrecimento, resolveu tornar pública, desta vez, a sua indignação.

Disse: “Não paira sobre mim nenhuma suspeita de desvio de dinheiro público; não possuo contas no exterior: nunca coagi ou tentei coagir instituições ou pessoas na busca de satisfazer meu interesse”. Uma resposta diretamente endereçada a Cunha, elaborada mais com a participação do fígado do que com a razão.

Sim, Cunha é acusado de tudo isso, mas não é sobre nenhuma dessas acusações que se sustenta o pedido de impeachment da presidente. Ficou parecendo a resposta de uma adolescente zangada com as provocações de uma desafeta de turma.

Outro paralogismo muito usado pelos partidários do governo é aquele que repete que o processo de impeachment é golpe e que Dilma foi legitimamente eleita pelo povo e por isso é preciso deixá-la cumprir seu mandato até o fim.

Pode-se defender qualquer coisa, menos que um processo constitucional seja golpe e, de resto, convém lembrar, a bem da lógica mais primária, que só um mandante legitimamente eleito é que pode sofrer impeachment. Não há hipótese de tirar o mandato de alguém que não tenha sido eleito.

O PT lançou mão das armas que tem e recorreu ao Supremo tentando anular a decisão de Eduardo Cunha, mas retirou a ação quando soube que ela seria relatada por Gilmar Mendes. E o mercado reagiu à notícia da aceitação da denúncia com acenos de simpatia, via Bolsa e ações da Petrobrás e do Banco do Brasil subindo e o dólar caindo.

O recado da sociedade é claro: o Brasil quer voltar a andar, e se para isso tiver que se livrar de Dilma e também de Cunha, que assim seja. O que não dá é o País ficar refém dos jogos vorazes de uma classe política inepta que está nos colocando na rota de uma depressão que pode destruir todas as nossas pontes para o futuro.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 4/12/2015. 

7 Comentários

  1. Marcos TC
    Postado em 04/12/2015 às 2:57 pm | Permalink

    Tudo conspira para mostrar que continuamos uma república de bananas, com um povo covarde votando em gente covarde.

  2. Carles Martí
    Postado em 04/12/2015 às 3:33 pm | Permalink

    Para voltar a andar, os povos que habitam nos territórios brasileiros teriam de se livrar da influência e ingerência de uma burguesía retrógrada, reacionária, conservadora e manipuladora. Como este texto que além de tudo, oferece um estilo pobre e presunçoso.

  3. MILTINHO
    Postado em 04/12/2015 às 5:07 pm | Permalink

    Caramba com tanto político inepto no dizer ameno do Vaia, sobrou para o povo a alcunha de covarde.O povo sim é inepto e os políticos covardes.
    O povo menos inepto é aquele que saiu às ruas em 13 de junho de 2013 e é o mesmo que ocupa civicamente e pacificamente as escolas de São Paulo.
    Só os coxinhas acham o Brasil uma república de bananas, nossa república é feita de covardes que se valem de cargos do 3 poderes republicanos. Não serrão eternos, vão cair, cassados ou impedidos!

  4. LUIZ CARLOS TOLEDO
    Postado em 05/12/2015 às 12:37 am | Permalink

    Carles Martí não deve ter muita intimidade com a leitura. Do contrário, não chamaria de pobre algo escrito por um mestre dos textos como Sandro Vaia. Infelizmente, essa foi a única maneira que encontrou para rebater os argumentos do autor. O ataque ao mensageiro para encobrir a falta de argumentos capazes de rebater a mensagem tem, ultimamente, se revelado a marca registrada dos que, presunçosamente, se intitulam “progressistas”.

  5. LUIZ CARLOS TOLEDO
    Postado em 05/12/2015 às 1:00 am | Permalink

    “… convém lembrar, a bem da lógica mais primária, que só um mandante legitimamente eleito é que pode sofrer impeachment. Não há hipótese de tirar o mandato de alguém que não tenha sido eleito.” Perfeito. Na minha humilde condição de “atrasista”, adoraria ver um desses soberbos detentores do monopólio da boa vontade para com o Pais e com os pobres, os “progressistas”,rebaterem o raciocínio de Sandro Vaia.

  6. MILTINHO
    Postado em 05/12/2015 às 1:35 am | Permalink

    Tô contigo Luiz Carlos e texto do Vaia é rico e o autoriza ser presunçoso.

  7. Willyam
    Postado em 23/09/2016 às 1:52 pm | Permalink

    O País passa a andar se os seus cidadãos se alimentarem e vestirem e irem ao trabalho em transporte coletivo, sentados.

    Não pretendo discutir isso.

    Quando eu, progressista, falo em “País voltar a andar”, não uso o discurso moralista do Vaia, que trata o fim de um grupo de poder como “recomeço” para o País. Nem atribuo ao PT a irresponsabilidade econômica do País, que é, afinal, um antigo vírus de 500 anos.

    A expressão grega Economia (oiko + nomos) significa literalmente “leis da casa”. Dos século 16 ao 18, nem jornais haviam por aqui. Ou seja, as “leis da casa” estavam muito mal por aqui. Irresponsabilidade econômica.

    O Plano Real trouxe muita esperança, mas se revelou tímido, posto que não acompanhou uma reforma agrária nem garantiu uma reforma tributária.

    Como o País volta a andar, se o tomate é caríssimo por culpa do latifúndio?

    [dizem que é culpa do PT]

    Eu tenho argumento, Toledo.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*