O Jogo do Contente

Vocês naturalmente conhecem o livro Pollyana, um dos maiores sucessos da literatura infanto-juvenil de todos os tempos. A heroína é uma menina que sofreu muito na primeira infância e aprendeu com seu pai, pobre e sofredor como Jó, a procurar ver o lado bom das coisas e a jogar, sempre que possível, o Jogo do Contente, que faz do limão uma fruta bem doce.

Imagino que foi essa a intenção de nossos congressistas ao anular a sessão que cassou o mandato presidencial de João Goulart na madrugada de 2 de abril de 1964.

Isso é o que meu lado pollyana espera. Porque a vencer meu lado voltado para roteirista de teorias conspiratórias, a coisa se complica, pois já vejo a fila dos que sonham em anular sessões do Congresso Nacional, com diplomas um pouquinho menos simbólicos nas mãos.

Devo dizer que não me move nada pessoal contra João Goulart. Sua cassação foi um ultraje à nação, ultraje que todos sabemos não é minorado agora com a devolução, ainda que simbólica, de seu mandato como presidente.

João Vicente Goulart fez um breve discurso no qual disse que as novas gerações precisam conhecer o passado do país, que é importante para uma nação reencontrar sua história e reparar a injustiça da triste mancha que “legalizou a ditadura e um governo de exceção”.

E encerrou com um brado dirigido a seu pai: “Jango, a democracia venceu!”.

Será?

Quem pode discordar da importância de as novas gerações conhecerem bem nosso passado, erros e acertos, quem fez o quê e quando? E por que fez?

Mas era necessário anular uma sessão do Congresso Nacional e um documento devolvendo o mandato ao Jango?

Para que os jovens aprendam História, é preciso reescrevê-la?

Será que a ninguém ocorre o perigo que isso implica? Aqui é o caso de perguntar: será que João Vicente Goulart sabe com quem está falando?

Ou será que ele só viu o senador Pedro Simon no plenário? Simon tem uma pollyana dentro do coração e, como campeão no Jogo do Contente, disse nessa solenidade: “Vivemos um dia histórico, um dia inédito na história do Brasil. O Congresso Nacional já viveu grandes momentos de glória, alegria, vitória e vivemos dias que preferimos esquecer. Hoje vivemos um grande momento”.

Inédito o momento pode ser. Mas grande? O que esse momento trouxe para o Brasil? Que eu veja, nada. Se ao menos a anulação da sessão de 2 de abril de 64 revogasse todas as injustiças perpetradas naqueles dias e pudesse refazer o trajeto que o Brasil percorreu de lá para cá…

O Jogo do Contente me ajuda a sonhar que nossos Três Poderes aprenderam de uma vez por todas que é imprescindível o respeito entre eles. Que o Executivo respeita o Legislativo e que ambos respeitam o Judiciário. E que os três nos respeitam, a nós eleitores contribuintes, cidadãos.

Que nossas crianças nunca precisem jogar o Jogo do Contente, são meus votos.

Este artigo foi originalmente publicado no Blog do Noblat, em 20/12/2013. 

Um Comentário

  1. NOSSO MEDO
    Postado em 22/12/2013 às 11:05 pm | Permalink

    O jogo dos descontentes foi jogado. Os reacionários escreveram uma trágica história que tardiamente está sendo reescrita. Anistia não contenta.

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*