A falência múltipla dos órgãos

Gosto muito do programa Painel, da Globo News, apresentado pelo jornalista William Waak. Sério, com bons convidados, temas sempre atuais e importantes, é um programa que ensina. Só dois reparos: o tempo é curto e o jornalista às vezes se entusiasma e fala mais que seus entrevistados…

Mas como ele é inteligente e com larga vivência como repórter, tudo o que diz é relevante e ajuda o espectador a compreender melhor a vida atribulada de nossos dias.

Sábado passado, 22 de junho, estavam no Painel Luis Felipe Pondé, Murillo de Aragão e Juan Arias, corresponde do El País no Brasil. Todos três com respostas excelentes às perguntas sempre instigantes de Waak.

Mas hoje vou me debruçar sobre a figura simpática e especialmente brilhante de Juan Arias.

Lá pelas tantas, ele comentou o que lhe disse um amigo médico quando perguntado sobre qual seria, na opinião dele, o motivo mais forte para tanta gente protestar contra tantas e tão variadas coisas pelas ruas do país. E o médico saiu-se com esta resposta: a falência múltipla dos órgãos.

Nada mais exato. Preciso. Queria tanto saber quem é esse médico: é muito bom de diagnóstico!

Os cartazes só confirmam isso. Falam de tudo. Já li desde um “Mãe, tô bem!” carregado por um garoto bem jovem até uma menina dizendo “As balas não matam as idéias”, passando por queixas amargas contras os desmandos na Saúde, na Educação, na Justiça, nos Transportes…

Mas a grande campeã dos cartazes é a deslavada corrupção que nos devasta. Os jogos que vêm por aí, em má hora essa herança maldita do Lula que vai nos alquebrar ainda mais, levam lambada de todo jeito. Realmente, o preço das arenas – sim, não são mais estádios, são arenas – ofende desde o cidadão que recebe um salário mínimo até o empresário bem sucedido, mas honesto e que sabe o preço das coisas.

Aqui no Rio, a maior agressão que nos foi feita, entre tantas e tantas, como o metrô, a Cidade da Música, o Engenhão, o entorno do Porto, foi, sem dúvida alguma, o Maracanã. Primeiro que esse estádio era patrimônio dos cariocas e xodó de todos que gostam de futebol. Deixou de ser um estádio, virou uma arena, deixou de ser nosso, é da Fifa e em breve será de quem o comprar pelo melhor preço – esse melhor é irônico, sim.

“O Brasil está em manutenção” foi outro cartaz que chamou minha atenção. E está. Anteontem mesmo, 24 de junho, dia de São João, quando até pouco tempo a grande preocupação do Chefe do Governo era o “Arraiá do Torto”, vimos dona Dilma propor um plebiscito para consultar a população sobre a realização de uma Constituinte dedicada exclusivamente à tão desejada Reforma Política.

Virá, não virá? Será uma rima ou será uma solução?

Este artigo foi originalmente publicado no site de Carlos Brickmann, em 26/6/2013. 

Um Comentário

  1. NOSSO MEDO
    Postado em 28/06/2013 às 11:32 am | Permalink

    Quanto ao Maracanã, que saudade, acabaram com a história, tetaram destruir na marreta o palco da derrota de 1950. Nem sempre de vitórias e glória se faz a história.
    A reforma política virou pauta séria. O povo vai se manifestar, a grande imprensa vai ter que noticiar, os políticos(queiros) vão se pronunciar. Bons ventos? ou apenas aragem?

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*