Um homem de moral

Dr. Vanzolini foi uma figura especial. Além de se um cientista de renome internacional, a quem o Brasil deve muito sobretudo por suas pesquisas que dão importância ao Instituto Butantã, de São Paulo, era um grande compositor, autor de letras imortais, boêmio por natureza e grande amante da cidade de São Paulo. Continue lendo “Um homem de moral”

Construir, destruir

Semear, plantar, colher. Muita gente no mundo se esmera em construir, para si ou para outros. Formar uma família é um prazer e quase um dever para os que amam a vida e querem que ela prossiga de um jeito amoroso, pacífico e sempre renovador. Se existem tristezas em nossa existência, que ao menos não sejamos responsáveis por elas. Continue lendo “Construir, destruir”

A falta que lhe fez um filme americano

zzzzzzmanuel1

Nos tem­pos em que eu sole­trava entu­si­as­mado a inde­ci­dí­vel rata­touille lite­rá­ria que é a prosa do filó­sofo Gil­les Deleuze, apanhei-o a jurar que toda a his­tó­ria da filo­so­fia mais não é do que um inter­mi­ná­vel con­junto de comen­tá­rios ao dife­ren­cial que são os diá­lo­gos de Pla­tão. Terá sido no “Dif­fe­rence et Répetition”?

Continue lendo “A falta que lhe fez um filme americano”

Três poderes? É muito

Partido bom é partido a favor.

Partindo desse elementar princípio de isonomia e justiça, o partido do governo e seus epígonos, que constituem a base aliada no Congresso, estão tratando de inviabilizar as siglas que ameaçam turvar a reeleição de Dilma no primeiro turno das eleições de 2014. Continue lendo “Três poderes? É muito”

garças e abutres chegados da terra do urubu-rei. capítulo 25

25. Finale

zzzzzzzjorge25

Foi numa das muitas tardes em que deveríamos rezar alto, se não me engano, após o hino nacional, devendo subir em seguida. Naquele crepúsculo de sonho, ameaçando mais um pesadelo de cegueira noturna, naquela tarde vermelho-fogo, disseram que iam ler a lista dos novos desligados. Os nomes voariam sobre o silêncio, como pássaros sagrados. Pousassem num dos morto-vivos, e ele seria ressuscitado. Continue lendo “garças e abutres chegados da terra do urubu-rei. capítulo 25”

Lembranças

Em 16 de julho de 1950 eu estava com 12 anos. Completaria 13 em setembro. Tive uma sorte danada. Um amigo de papai, daqueles apaixonados por futebol, tinha ingressos para todos os jogos da Copa. Seu nome era Hercílio Mota. Continue lendo “Lembranças”

Briga de bicos

Quanto mais tenta se desenroscar mais o PSDB tropeça no seu próprio bico. Há mais dissenso do que consenso, o que dificulta o caminho da legenda para se tornar competitiva na disputa pela cadeira da presidente Dilma Rousseff. Continue lendo “Briga de bicos”

O trem dos poetas

Poetas do mundo latino viajavam, de trem, da Cidade do México para Guadalajara. Eu estava no meio dessa festa. Trem, poesia e cerveja são combinação excelente. Pela primeira vez eu passara meu aniversário longe de casa, a bordo de um avião, no rumo da terra dos astecas. Continue lendo “O trem dos poetas”

Rosebud

zzzzzzzrosebud

Quando saiu das mãos de Orson Wel­les, Char­les Fos­ter Kane, mega­ló­mano, críp­tico, já era muito maior do que a vida. Lem­bro os menos ciné­fi­los que falo do herói de um filme, Citi­zen Kane. O pró­prio Wel­les inter­preta a per­so­na­gem que morre no começo do filme sus­sur­rando, numa mis­te­ri­osa saída de cena, a pala­vra rose­bud.

Continue lendo “Rosebud”

Más notícias do País de Dilma (95)

A presidente da República está conseguindo copiar seu criador em um dos piores defeitos dele: como Lula, Dilma está falando demais. Fala pelos cotovelos, fala sem parar (e muitas vezes nitidamente sem pensar), fala compulsivamente. Dá bom dia a cavalo. Inquieta os agentes econômicos, destrói o pouco de confiança que eles ainda poderiam ter no governo. Continue lendo “Más notícias do País de Dilma (95)”