J. Paulo

Valdir Sanches se lembrou hoje de uma historinha com o J. Paulo.

Ele conta que uma vez foi fazer uma matéria no Rio, e pediu ao assessor de imprensa uma entrevista com o secretário da Polícia Civil.

O relato do Valdir:

Fui lá, o assessor era um foca bárbaro, esperei um bocado, acabei voltando para a sucursal de mãos abanando. Contei para o J. Paulo.

– O quê? – fez ele, indignado. Pegou o telefone e ligou direto para o secretário. Deu uma bronca, porque o colega Shances (como me chamava) não podia passar por uma coisa daquelas, assim e assado.

Voltei à secretaria e passei direto pela assessoria. Mas tarde, o secretário chamou o babaca na sala, e ele teve o desprazer de ver que eu estava fazendo a entrevista, sem ele saber.

***

J. Paulo morreu na madrugada de ontem, de infarto. Tinha apenas 58 anos. O coração que o matou era imenso.

Vai fazer uma grande falta para todos os amigos e até para os que o conheceram pouco, como eu. (Sérgio Vaz)

3 de novembro de 2012

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*