I met my old lover on the street last night

I met my old lover on the street last night.

Não sei se ela parecia tão feliz em me ver. Parecia, acho, um tanto curiosa.

Como eu, ela se lembrava bem de que fazia tempo não nos víamos. Fez as contas: oito meses. Oito meses, em 14 anos, contabilizou.

Perguntou da vida, e falei da Agência Estado. Me queixei suavemente, durante a sessão do aperitivo. Me sugeriu procurar emprego na Editora Globo; estão para lançar revistas.

No começo do jantar, perguntou dos amores, e falei de Mary. Relatei mansamente. Acho que fielmente.

Me contou, então, de seu namoro. Tem três meses, como o meu com Mary. Encontrou o que queria, neste momento da vida – um namoro calmo, tranqüilo, gostoso, que não aperta até sufocar.

Me deu carona até em casa, subiu para pegar um livro e um xerox de um texto de Borges que pendurei na cortiça e que ela, como eu, conheceu há pouco. Comentou depois, quando desci para acompanhá-la até o carro, que não imaginava que Mary estivesse na minha casa (Mary estava dormindo; trabalha bem cedo hoje), que o namoro dela não é tão íntimo quanto o meu.

Nos abraçamos de leve, suavemente, sem emoção.

Mary acordou quando deitei. Não fez pergunta sobre o jantar.

Acordei às 5 e meia da manhã com sede, ouvi “Still Crazy After All These Years” algumas vezes, e corri aqui pro violão, e a manhã está nascendo azul.

O texto é de 11 de setembro de 1990.

Passei por ele por puro acaso, quando procurava uma data para identificar velhas fotos. Achei bonito, pensei um publicar, não sei bem por quê. Saudade, talvez.

Sei é que “Still Crazy After All These Years”, que Paul Simon fez em 1975, é uma absoluta maravilha (aqui, a versão original ):

 

I met my old lover

On the street last night

She seemed so glad to see me

I just smiled

And we talked about some old times

And we drank ourselves some beers

Still crazy afler all these years

Oh, still crazy after all these years.

 

I’m not the kind of man

Who tends to socialize

I seem to lean on

Old familiar ways

And I ain’t no fool for love songs

That whisper in my ears

Still crazy afler all these years

Oh, still crazy after all these years

 

Four in the morning

Crapped out, yawning

Longing my life away

I’ll never worry

Why should i?

It’s all gonna fade

 

Now I sit by my window

And I watch the cars

I fear I’ll do some damage

One fine day

But I would not be convicted

By a jury of my peers

Still crazy after all these years

Oh, still crazy

Still crazy

Still crazy after all these years.

 

Um Comentário

  1. Fernanda Vaz
    Postado em 24/02/2012 às 10:56 am | Permalink

    Linda memória. Ótimo texto!

Um Trackback

  1. […] vez, muitíssimo tempo atrás, escrevi um desabafo sobre uma noite em que encontrei um velho […]

Postar um Comentário

O seu email nunca é publicado ou compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com um *

*
*